domingo, 19 de dezembro de 2010

O lado sombrio e roqueiro da Princesa do pop.



Um dos meus piores defeitos é dizer que odeio alguma coisa e que NUNCA irei compartilhar daquela determinada coisa. Foi assim com Machado de Assis, Sussurro, samba (...)
O engraçado é que no alto da minha rebeldia de adolescente revoltado e contestador, dizia que odiava Britney Spears, berrava aos quatro ventos que não cantava nada e ainda rabiscava todas as revistas que a loirinha de Lousiana era capa.
O que o tempo fez comigo! Na época que lançou “Blackout”, antes de ouvir, comentei com uma amiga minha que o disco deveria ser de péssima qualidade. Nessa mesma época, comecei a mudar o meu gosto musical e foi aí que me encantei pelo disco e as músicas. Com o tempo, fui voltando a gostar de Britney – que me esqueci de dizer, aos doze anos ouvia, antes de ser rocker – e quando vi, voltei a ser fã dela como cantora. Voltei a ser fã, porque o gênero “pop” sempre foi o meu fraco. Eu escuto, danço, leio tudo sobre pop desde que me entendo por gente . Então, mesmo roqueira as coisas não mudaram muito sob esse aspecto. Uma vez pop, sempre pop.
O que faz mudar a minha opinião? O disco “Blackout” que para mim é o melhor da sua carreira. Ele é um dos meus preferidos, porque a Britney daquele disco está longe de ser a “queridinha da América”. Ela é sim uma mulher revoltada, com declarações polêmicas, mau comportamento e muita sensualidade. Foi à fase “bad” de Britney, que mostrou que é imperfeita, não é certinha e sim uma pessoa normal como qualquer outra.
No halloween deste ano, resolvi me dar de presente o cd “Blackout” e simplesmente amei. O disco é bom do início ao fim. Não tem baladas românticas, o que é melhor ainda. Britney não é cantora de baladas, ela tem que cantar músicas mais dançantes e agitadas! No disco, Britney é sarcástica, sussurra, canta sensualmente mesmo que as letras não queriam dizer muita coisa. O disco é bem sombrio, trash, freak e quando ouvi nem parece ser o disco da ex- menininha da Disney. Na mesma hora, entendi porque até Marilyn Manson se rendeu a Brit, ele fez cover de uma das canções do disco. O disco tem um lado meio rocker, estranho e parece ser uma longa noite de halloween.
Para quem gosta de surpresas boas, se divertir e não tem preconceitos vale à pena ouvir. Foi a partir desse disco, que Britney mudou o seu jeito de ser, de cantar. Ela deixou de lado a antiga pose de santa e assumiu ser uma mulher fatal, mãe, divorciada, dependente química e muito louca. Quem poder, confira o encarte do cd. As fotos são de uma arte impecável e Britney “encarna” bem o papel. Espero ter deixado vocês com água na boca.
Destaques para as faixas menos conhecidas como : “heaven on earth”, “get naked( i got a plan), “freakshow”, “ooh ooh baby “, “hot as ice”, “ toy soldier”, “perfect lover”, “why should I be sad”. Ou seja, todas as faixas são boas!
Para quem não sabe, esse é o disco das canções maravilhosas e minhas preferidas como: “gimme more”, “piece of me”, “radar” e “break the ice”.
Todas elas funcionam como ótimas músicas para dançar na noite, sigam o meu conselho =P
Ah, como eu amo essa minha garota. Britney continua sim, sendo a Princesinha do pop. A coroa é dela e ninguém tira.

domingo, 28 de novembro de 2010

Scott Pilgrim e a Liga dos ex sete namorados indesejáveis.


A melhor coisa de Sábado à noite até agora foi assistir ao Filme: Scott Pelgrim e a Liga dos ex sete namorados terríveis de Ramona Flowers. Peço mil desculpas, mas assisti ao filme através da internet e só fiquei sabendo desse filme por causa de uma crítica que dizia que este filme se baseou em uma HQ. Então se o nome do filme estiver errado não me condenem, por gentileza. Sou uma simples mortal.
O enredo em si parece ser muito interessante: Scott Pelgrim vivido por ninguém mais, ninguém menos do que Michael Cera (aquele de Juno) é um cara descolado, roqueiro que se apaixona por Ramona Flowers depois de viver uma desilusão amorosa e tentar envão namorar uma adolescente de segundo grau chinesa. Sendo que para ficar com Ramona, ele precisa enfrentar os ex sete namorados recalcados que não aceitam que ela siga em frente. A tal Ramona nem é nada demais, só é uma roqueira que muda a cor do cabelo toda hora e fica no canto com a sua cara de apática ou “daria tudo para não estar aqui”. O que me deixou um pouco confusa, porque nunca consegui lidar direito com pessoas que não demonstram reações. Só que foi engraçado. Digamos que este filme é uma “Comédia alternativa” e estava precisada de um bom filme. O filme é muito bom, me diverti pacas e é bem roqueiro. Coisa que amo, aliás.
O filme é bem surreal, mas é uma proposta interessante para quem curte coisas novas, rock, quadrinhos e referências pop. O ponto alto foi quando ao fundo pude ouvir uma música do Blood Red Shoes. Pra quem curte música alternativa, é uma boa. Depois de assistir ao filme me deu a maior vontade de baixar várias bandas.
E além do mais, é um ótimo programa para Sábado a Noite.
Agora voltando a realidade, infelizmente.

domingo, 21 de novembro de 2010

Quando a fantasia é bem real.


Um dos meus maiores pecados como leitora é julgar um livro pela capa ou julgar um livro pelo que ele "aparentemente" parece ser. Foi assim com "Diários do Vampiro”, "Dom Casmurro" e “Sussurro" da autora Becca Fitzpatrick.
Quando vi este livro pela primeira vez, as comparações com Crepúsculo foram inevitáveis. A descrição na contracapa parecia mais um exemplo de livros que seguiam aquela linha e estava de saco cheio. Abri a boca e disse que:
- NUNCA vou comprar esse livro!
Estou no capítulo 28 do livro e me arrependo amargamente de ter dito isto. Além da minha opinião ter mudado, a história se mostrou muito mais interessante do que imaginava.
Para começar, a Personagem principal Nora Grey não é lesada nem idiota. É uma garota normal que participa do e-zine da escola e está focada em conseguir vaga em uma das maiores universidades do país. Ela nunca se interessou por nenhum garoto da escola, não porque eles não gostam dela, mas sim porque ninguém chamava a sua atenção.
Tudo muda no dia em que seu professor – treinador muda os lugares na aula de Biologia (RS) e Nora Grey passa a sentar ao lado de Patch, o novo aluno com ar de Bad Guy e encrenqueiro.
A grande questão do livro é que o protagonista está longe de ser um cavalheiro perfeito como Edward Cullen, ele está mais para Dado Dolabela (só não bate em mulher). O que mais me prendeu, foi o fato de um cara tão “canalha” se aproximar de uma garota que é oposto dele.
Foi a partir daí que comecei a entender o encanto que há entre duas pessoas completamente diferentes. Mais ainda, Patch me faz lembrar muito uma pessoa que conheci no passado e sempre representou o meu “fraco”.
Cada capítulo, você vai se apaixonando mais e mais. Não é um enredo puramente romântico, tem toda uma história envolvida. Patch, nada mais é, do que um anjo caído. Tirem da cabeça aquelas imagens belas e angelicais. Patch é um anjo que foi expulso, pois desejava ardentemente ser humano. Ele se apossa do corpo se humanos no período de “Cheshvan”. Por que ele fez isso? Por causa de uma mulher, é claro. Ele está longe de ser um homem bom, mas Nora Grey representa para ele uma oportunidade de se redimir. Foi então que compreendi.
Geralmente esses caras maus se sentem atraídos por garotas opostas porque elas significam tranqüilidade e paz. Coisas que eles não possuem e necessitam profundamente.
A história em si pareceu ainda mais incrível porque tenho uma amiga que tem um rolo tipicamente Patch e que a aconselhei mil vezes para se afastar dali. Lendo, vi minha amiga retratada no livro.
Li algumas resenhas do livro na internet é todos os críticos disseram que “Sussurro” retrata nada mais do que um romance adolescente para enfeitar as páginas. Discordo porque nunca um livro me deixou com tantas perguntas na cabeça. O enredo é de tirar o fôlego e não se prende unicamente a amor. Aliás, tem muitos rapazes que são fãs, foi que percebi nas comunidades do Orkut (se bem que isso não quer dizer nada né? Rs).
Não posso dizer muita coisa, mas ao ler percebi que muitas perguntas serão respondidas no segundo livro da Série que espero anciosamente. Além de uma história de amor, é também uma historia de forte suspense.
Anjos nunca se mostraram tão sexies e irresistíveis. Camisa preta, jeans e botas de cano alto. Nunca quis tanto um anjo desses para ser meu protetor.

sábado, 13 de novembro de 2010

Depois da maré


Depois de um tempo sem vida social, volto aos poucos para o meu lazer. Não tem sido fácil, eu confesso. Estudar, trabalhar e ter vida social não me permitem ter tempo para internet. Nada é para sempre. De modo que de vez em quando estou livre para fazer o que bem entender, volto para o vício.
Mesmo que tenha que dormir, comprar presentes para o chá de bebe amanhã e seminários para fazer ; estou aqui as 22: 37 fazendo o que melhor faço: Escrever.
Passei um tempo meio iludida e tentando me anular. Por causa das provas que estavam chegando decidi me concentrar só para elas e meio que deixei tudo de lado.Tive essa ideia besta porque conheci muitas pessoas que abdicavam das suas vidas por notas, provas e trabalho.
Aprendi que hoje em dia não faço mais isso. Fiquei tão obcecada que não consegui me sair bem nas duas coisas. Até tirei notas altas, mas em algumas matérias além de ter tirado 2,5 consegui zerar alguns trabalhos.
Eu devia ter previsto que isso de se anular não serviria para mim. Poderia servir para qualquer outro idiota.Só que não consigo deixar de lado o meu prazer. Não consigo deixar de ver TV até tarde mesmo sabendo que tenho prova no dia seguinte. Não consigo deixar de comer chocolate porque me dá espinha e não consigo ficar sem escrever só porque não tenho tempo. Decidi parar de me anular e deixar o barco correr. Sem medo, sem pressa.
Agora posso me dar o luxo de cantar a plenos pulmões "So contagious" da Avril Lavigne. Cansei de ter que aturar Professora de faculdade que não posso nada.Cansei do meu trabalho dizendo que devemos ser assim e assado.
Nunca fui perfeita e não será agora com vinte anos na cara que irei mudar. O tempo passa e aprendemos muita coisa. Tenho planos, sonhos e muita garra. E isso não irá mudar. O mundo pode estar corrompido de um monte de coisas ruins, só que EU faço o meu mundo!

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Não merece o doce, quem não provou do amargo.


Ontem vim chorando no ônibus. Parecia que iria chover e me perguntava o que houve com a minha vida. Por que determinadas coisas acontecem conosco? Será que merecemos ou faz parte do kit “Experiências”?
Tenho apenas vinte anos e uma das minhas maiores características é ser sonhadora. Quando estudava no pré- vestibular sonhava o que seria passar para a faculdade de letras e poder viver enfim o meu sonho.
Ao entrar lá vi que nada é daquilo que sonhei. Faço parte da turma de Literatura Brasileira e além das matérias serem super chatas, só estudarei Literatura no quarto período. Antes, eu até pensava em ser Bacharel, ser professora acadêmica.
Hoje em dia tudo isso caiu por terra. Descobri que terei que escolher entre Licenciatura e Bacharelado. Obviamente por grana escolherei o primeiro. Para ser Bacharel é necessário saber que não tem retorno financeiro, de modo que tem que contar com a ajuda financeira de alguém e acima de tudo, ter um professor que lhe inclua na pesquisa dela. Essa última é a parte mais difícil.
Os professores da minha faculdade podem ser inteligentes e doutores. Só que são pessoas arrogantes, metidas e nos tratam como se fôssemos analfabetos menores que formigas. Uma professora até logo no início das aulas disse que podemos nos preparar para sermos professores, pois não conseguiremos ser tradutor, revisor e escritor. Isso foi um choque de realidade.
Esse é um dos motivos pelo qual não posto com tanta freqüência. Além de não ter tempo, porque preciso estudar e trabalhar. Todos na minha sala meio que entramos em um inferno Astral e não conseguimos escrever.
E eu sinto raiva disso. Antes eu era uma pessoa tão idealista, tinha sonhos que me moviam e agora estou estagnada. Estou me permitindo apenas viver, sem poder me dedicar aos meus livros, sem conseguir estudar e me concentrando apenas em estudar.
Voltando do trabalho fiquei com raiva de tudo. Queria me isolar, escrever o dia inteiro e viver disso. Por que para algumas pessoas as coisas são tão fáceis? Nem dinheiro para comprar um tênis tenho.
Tenho que pagar as minhas contas, me matar de trabalhar para receber menos de um salário mínimo, escutar as lamúrias da minha família que não sabe da minha carreira de escritora e muito menos apóia.
Nessas horas tento ser forte, me lembro da pessoa que era, dos sonhos que tenho, dos meus projetos, dos meus amigos que são a minha família e conhecem o meu sonho. Me lembro do meu namorado que me dá todo o apoio do mundo. Me lembro de pessoas que ralaram, mas conseguiram realizar seus sonhos como J.K Rowling, Charles Chaplin, Stephenie Meyer, André Vianco, Pitty, tantas pessoas ...
Tento guardar para mim que tudo isso que passo são experiências e que futuramente posso olhar para isso e ficar orgulhosa. Às vezes essas pessoas que tem tudo fácil, não dão valor e nem são felizes.
A vida não é fácil para todo mundo, só estou tentando trilhar o meu caminho. Por mais impossível que pareça.

domingo, 31 de outubro de 2010

Eu sou um outro eu.





Want you to make me feel
Like I'm the only girl in the world



Rihanna , Only Girl (in The World).





Quem acompanha o meu blog irá perceber fortes mudanças. Tem gente que não curte, mas chega um momento que não dá mais para fugir. Antigamente tinha mais tempo e sempre postava. Fiquei algumas semanas e ainda continuo muito enrolada. Universitário sofre: tenho milhões de trabalhos para entregar, seminários, provas e trabalhos. Esse ciclo nunca termina.A sensação de que não aguentaria já passou, agora sei que vou aturar tudo isso. Tenho meus motivos, todo mundo tem. Não posso ser hipócrita.
Antigamente tinha planos, projetos e sonhos. Os sonhos ainda tenho e eles vivem dentro de mim. Só que deixei eles guardados dentro da minha gaveta,por enquanto só estou me permitindo viver. Viver intensamente tudo isso: A faculdade, os amigos, o namorado, a minha vida, o trabalho.Com isso os livros que estava escrevendo estão todos guardados, as férias virão e irei poder me dedicar a isso.
Mesmo que esteja super ocupada, estou tentando levar uma vida normal. Ainda saio, me divirto, escuto minha músicas loucas. Meus discos de reggae e os cd's da Lilly Allen. Vejo vídeos da minha playlist preferida e estou viciada em saltos.Meu armário agora tem bastante rosa e estou amadurecendo a ideia de fazer uma tatoo e rosa pink.
Não sou a mesma pessoa, só que no momento tudo que não quero é me definir. Quero ouvir as músicas que quiser,sair para aonde estiver com vontade, me vestir do jeito que me der na telha. Se essa é a nova Juliana não sei. Não é uma crise de identidade, só estou consumindo muitas informações, estilos variados e me classificar agora não irá adiantar nada.
Eu não quero me classificar, só quero aproveitar. Me divertir com os meus amigos no Bosque da Barra, fazer piquenique com a galera de Letras, sair com os meus amigos e ficar horas no msn, fofocar, rir, assistir coisas ridículas, ter uma opinião e logo depois ter outra completamente diferente daquela dita anteriormente. Eu preciso disso, necessito ser jovem. Quero ser irresponsável com o meu namorado, sair como fizemos na sexta sem horário para voltar. Chegar em casa, cair na cama, dormir e acordar para trabalhar.Quero brigar com alguma amiga minha e fazer as pazes.
Agora vou ouvir um pouco de Lily Allen e pintar minha unha de rosa chiclete.
Prometo agora não mais sumir do blog.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Confissões.

Eu confesso.
Tenho muito medo de ser uma universitária fracassada e operadora de telemarketing para sempre. Já tive inúmeros pesadelos com isso e tenho a sensação de que irei ficar presa naquele lugar horrível para sempre.
Eu odeio o meu emprego, isso não é segredo para ninguém. Ele não me dá tempo, não me deixa criar, não me deixa viver e só me dá pouco dinheiro. Dinheiro é uma merda, te torna dependente e escrava. Eu tenho um trabalho escravo, se isso não é escravidão então...
Eu não me dou bem com todo mundo e mal chego no lugar, já dá vontade de ir embora. Ele me desanima, me desmotiva. Só que o meu outro medo é ficar sem dinheiro, sem emprego e ficar na merda que me encontrava antes.
Antigamente achava que trabalhar mudaria a minha vida. Mudou tão pouca coisa...
O que mais me deixa apreensiva é o fato de não aproveitar muito a minha vida acadêmica. Sempre sonhei em poder estudar, fazer cursos e oficinas.
Estou vivendo uma dos maiores sonhos da minha vida, porém não estou vivendo todo ele. Já surgiram vários cursos, palestras e não posso ir em nenhum.
Eu fico com ódio, inveja, sinto raiva do universo e nessa hora como queria ser filhinha de papai. Se eu fosse metade dos meus problemas estariam resolvidos...
O meu emprego é completamente desvalorizado e não vai me levar a nada. É pouco remunerado, menos de um salário mínimo. Às vezes, fico de queixo caído. Tenho amigas que cursaram nível superior e estão lá. Para alguém que estudou tanto, é tão depressivo!
Tem uma colega minha, a Fabi que é formada em Bacharel em Pedagogia pela UERJ e trabalha lá.
Imagine eu, formada pela UFRJ, trabalhando naquela porcaria de lugar, ganhando pouco e sem nenhuma meta cumprida?
Esse é o meu maior medo, meu maior pesadelo.
Sempre quis ser Bacharel e apesar de recentemente mudar de ideia. Devido uma atualização do currículo novo, vários cursos a partir de 2010 terão que optar por Licenciatura ou Bacharelado. Mesmo optando por licenciatura que inicialmente não queria, quero sugar tudo. Quero poder me especializar, estudar, tirar notas boas. Ler muito, escrever muito, dar muitas aulas. Eu tenho sede e não quero ser "mais uma na faculdade". Eu quero ser A aluna. Não quero ser a mais perfeita, nem a melhor.
Mas quero ser boa no que faço. Para que quando estiver formada, tiver visão, praticidade para poder me virar neste mundão de Deus.
Ser uma excelente professora, pois acredito que posso mudar o ensino para melhor, apesar de ser uma grande responsabilidade. Quero ser escritora sim, mesmo que seja impossível. Eu tenho sonhos e a faculdade é uma ponte para tudo isso. Ela te dá conhecimento e basta VOCÊ correr atrás.
Use suas pernas, se torna amiga de algumas pessoas e corra. Sempre.
Fico até aliviada em poder dizer isso tudo. Tiro uma grande peso de mim!

sábado, 25 de setembro de 2010

Que coisa engraçada é a vida




Eu me sinto mais velha, com uns quarenta anos. Isso não me assusta mais e me sinto completamente confortável nesta condição. Só agora percebi que se isso aconteceu, era para ser assim. Sou do tipo que não cre em predestinação, mas estava escrito que seria assim. A vida é uma história que a cada dia, ao acordamos escrevemos uma linha de uma página de um livro.
Por que velha? Em que sentido? Eu quis dizer que me sinto mais amadurecida e responsável pelos meus atos, minhas contas e tudo ao meu redor. Não é uma tarefa fácil e de início relutei muito em aceitar. É muito mais fácil quando nossos responsáveis fazem tudo pela gente.Só que chega uma hora em que temos de crescer, e nesta hora nossos pais não vão poder nos colocar no colo e nos tirar de perto do que nos causa horror.
Tudo mudou e custei a me acostumar. Queria ser como qualquer outro jovem da minha idade sem responsabilidade e com muito tempo para si próprio. Queria não trabalhar e não ter prazos,mas não sou mais uma criança. Agora sou adulta.
Minha família pela primeira vez em tanto tempo parace que me admira pela vida que levo: estudando e trabalhando feito uma louca, eu me sinto útil mesmo em um trabalho tão medíocre. Aprendo a cada dia que tudo tem o seu tempo e que o meu livro de rpg se encaixa nesta categoria. Todos os dias tenho a sensação de que tenho algo a aprender.
Ter este perfil de menina-mulher responsável é difícil. De início não quis adotar isto para mim. Só que como a personagem "Bella" de Crepúsculo que descobre que seu destino é ser uma vampira, aquela realidade sempre esteve ali na minha frente, a minha disposição.
E eu não mudaria nem uma vírgula do que fiz. Porque todas essas coisas me levaram para aonde estou: para o meu sonho.
Mesmo que tenho a sensação que sei muito pouco, estou muito feliz. Construindo meus tijolinhos e assim um dia poder viver o meu grande sonho que vai exigir mais e mais e vai me fazer sentir uma caloura, inexperiente e cheia de medos.
Mas isso é a vida: é nós sentirmos incomodados com situações novas e tristes por ter que se despedir de momentos ou lugares que foram tudo para nós.
Viver é despertar. Seja lá de um sonho bom ou ruim.

domingo, 19 de setembro de 2010

O tempo, meu inimigo

"Acordo cedo, com o pé no freio
e o mundo inteiro começa a girar.
Num banheiro, olho no espelho,
crio coragem e ponho pra andar.
Carteira, chave no bolso,
tá carregando meu celular.
Acredita, ninguém apita,
quem vai querer hoje me segurar.

É, eu tô na vida pra virar,
que a felicidade vem, eu tô sonhando mais além.
Não, nem vem aqui me atazanar,
se eu tô rindo é pra você olhar pro céu, meu bem, é.
Eu não fui feita pra fingir, eu tô ligada no amor que se tem pra viver.

[Eu vou, eu vou, eu vou,
com fé eu vou.
Isso aê, isso aê, isso aê,
com fé eu vou.]"


Alento - Luíza Maita


Nunca imaginei que minha vida ficaria desse jeito. Nunca imaginei realmente que fosse trabalhar e passar para a faculdade que tanto amo. Isso está me deixando a mil por hora. Por enquanto, tive que largar o livro que estava lendo e o livro que tentava escrever. Assim que der uma pausa, volto para lá.
Apesar de toda correria, apesar de longe dos amigos e dos palcos com gritos e guitarras, estou feliz. Eu sei que isso é só uma fase e vai passar.
Sei quantas noites irei chorar ainda mais de saudade, saudade daquilo que fui e do tempo que não dei valor.
Só que tudo ao redor: o telemarkenting, os professores bruxos e meus colegas de trabalho estão contando para a minha experiencia. Tudo vai passar.Descobri que o tempo é meu inimigo. Será que conseguimos voltar a ser o que éramos?

sábado, 18 de setembro de 2010

Caros Leitores

Quero pedir muitas desculpas a todos que leem e acompanham este blog. Não estou entrando com muita frequencia e postando muito menos. Sofro do que muitos chamam de "falta de tempo". Estudo e trabalho. Tenho vida ainda e muitos exercícios e livros para ler. Parei de escrever o livro de rpg que era meu projeto, só por enquanto para me dedicar aos estudos e provas que daqui a alguns dias irão vir. Tem muita coisa pela frente e não irei abandonar o blog. Ele é uma parte de mim. Só preciso reamurrar meu tempo e aí volto. Com força total.


" A arte é o melhor de todos os remédios".


Machado de Assis.


Por isso, caro leitores não me abandonem. Tem post amanhã, de verdade.

domingo, 12 de setembro de 2010





Minha madrinha um dia desses, chegou muito séria perto de mim e perguntou: " - Por quê você comprou a biografia da Amy Winehouse?"
Completamente espantada, ri na hora na sua cara porque entendi a sua "surpresa". Ela ficou meio confusa porque eu compraria a biografia de uma mulher que apesar de mito é totalmente perdida e está muito longe de ser exemplo para alguém.
Só que eu super inofensiva, sempre amei as pessoas que não eram certinhas. Apesar da pessoa ter uma atitude merda, achava pior ainda alguém se fingir de boazinha só para servir de exemplo.
Odiava a Sandy e outras cópias. Nada me tira da cabeça de que ela deixou de ser virgem bem cedo e que na realidade era uma garota revoltada. Toda aquela pose era puro markenting.
Sempre odiei essa atitude. Sempre fui a favor de " ser você mesmo". Mesmo que fosse um merda. Melhor ser verdadeiro e não iludir alguém do que se fingir e passar uma vida inteira sendo quem você é.
Ou seja, sempre amei pessoas maluquetes. Sou a favor de gay sair do armário. Sou a favor da felicidade não importa qual seja.
De modo que comprei a biografia que me foge o nome do autor, mas que acima de tudo escolhi porque sou muito fã dela. Não sei se já contei, mas quando era pequena meu pau me ensinou a ouvir Jazz, Blues e soul. A música dela me remete a todos aqueles momentos musicais maravilhosos que passei. Meu pai me deu uma educação musical muito boa.
Além do quê, a Senhora Winehouse tem um estilão roqueiro e meio retrô que amo. Ela está longe de ser perfeita. É claro que fico triste.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Processo de Criação.




Decidi neste post, falar sobre um assunto que é muito recorrente em blogs e muito debatido pelos intelectuais. O que ultimamente anda mexendo com a minha cabeça e tira o meu sono.
O processo de criação é a parte mais difícil e mais deliciosa de um romance. Escrever um livro não é nada fácil, temos que estar munidos de ideia e cheios de vapor. Sem lápis e papel na mão, a ideia escorre feito fumaça.
Inicialmente, temos que nos preocupar com o enredo, com o dilema que a protagonista se encontra e com o final que pode ser bem, mal ou sem pé nem cabeça dependendo do livro.
A segunda parte que temos que nos preocupar é com a idealização e construção dos personagens. Quem são eles, o que fazem, suas funções e quem são sua família caso seja importante para a história.
Depois disso, a parte mais importante e momento mais decisivo é aquele em que se constrói os dilemas e mostra as facetas do herói.
Foi aí então que larguei três ou quatro livros que parei de escrever. Sofro o que chamam de "Bloqueio criativo". Meu namorado costuma dizer que não consigo me focar em uma coisa só.
Estou tentando. O livro que estou escrevendo de rpg está assumindo um perfil um pouco feminino por causa da minha influência. Meu namorado constrói e adapta para a parte do rpg que desconheço completamente.
Por que topei escrever um livro de pg se não domino?
Porque achei que seria desafiador e estou amando. Os personagens(quem escreveu um livro sabe...) depois de um tempo, adquirem vida e saem por aí.O mais engraçado é que a única personagem feminina principal não fui eu quem criei. Mas sim meu namorado, que de acordo com ele, servi de inspiração para ela.
o bom é que om livro vai ter público feminino e masculino. Desejo também que seja uma obra popular. Mão na massa!

domingo, 5 de setembro de 2010

Cartas a alguém

Voltei a sorrir outra vez. O nome disso é amizade, que é libertadora. Não importa se faça chuva ou sol, na alegria ou na dor. Eles estão lá comigo. Me fazendo rir, me aconselhando e sempre me apoiando. São desses amigos que pretendo ter sempre ao meu lado. Não quero falsos sorrisos e cansei de tanta vacilação. A você, desejo felicidade, que seja feliz em seu mundo de máscaras e no qual vive fingindo ser o que não é.
Definitivamente cansei. Cansei de você. Cansei da sua amizade e agora quero ao meu lado, quem realmente possa corresponder as minhas necessidades.
Descobri coisas tão valiosas que não sentia há mais de dois anos. Me sinto como uma criança elétrica que vê algo pela primeira vez.
Eu te odiei por alguns minutos, mas a sua ausência me fez bem. Me fez sentir forte, caminhar e saber com quem posso contar. Aprendi tanta coisa que vou levar pelo resto da vida. Sem você.
Me sinto mais leve, bem que me avisaram. Mas tudo passa. E essa dor passou. Para mim, suas fotos não querem dizer nada. Deve ter percebido que até retirei do meu site pessoal? Mas faz parte. Você também fez comigo.
Agora pertence ao passado e quem ocupou o se lugar me faz muito bem. Melhor que você fazia.
Eu me sinto bem, leve. Nunca deixei de ser quem eu sou. Isso você nem sabe o que é.
Saia do pedestal, saia deste transe enquanto é tempo.
Mas da minha amizade você nunca mais vai ter.
Obrigada por deixar de existir. Agora tudo faz sentido outra vez.

domingo, 29 de agosto de 2010

Uma canção autentica


Só quero um pouquinho de descanso. Sei que queria muito agito, mas necessito também de alguma calmaria. Assistir filme na TV e dar valor as pequenas coisas da vida. Ficar ao lado do homem que amo vendo desenho animado e contar casos para uma amiga minha. Tudo isso parece coisas bem distantes de mim. Ouvir Kate Nash, ser um pouco normal e sair à noite como qualquer outra pessoa. Não ser zumbi e não chegar em casa com a sensação de que não tenho tempo. O tempo escorre pelas mãos, não sei o que é trocar confidências com alguma amiga há um tempo e todo mundo parece super interessado em se ver. Marcar que é bom nada. Eu cansei. Pó isso, estou dando abertura para que essas novas pessoas entrem na minha vida. Conversem e me levem para um mundo desconhecido que eu não conheça. Quero poder dançar, trocar idéias e também desabafar. Afinal, é isso que amigos fazem. Apesar de me sentir meio perdida, estou tentando me encontrar. Ou melhor, estou recuperando os pedaços que valem à pena. Aquela Juliana avisei, ela não vai mais voltar.
Deixe de lado, todas as convicções. Ouça música livremente e pegue um livro de Pablo Neruda para ler. Assista “O fabuloso destino de Amelie Poulain” e compre um disco de Kaiser Chiefs. Só assim, vai entender do que estou falando.
Descobri que gosto de mudar, mas sem alterar a minha essência. Nunca fui mente fraca e não é agora que serei. Serviu de carapuça? Que bom para você. Porque a minha intenção é ser feliz sendo apenas eu mesma. Esse jeito contraditório e pelo avesso.
Me encontre na canção Foundations de Kate Nash, só assim vai compreender. Eu não gosto de me perder e muito menos me rotular.

sábado, 28 de agosto de 2010

Móvel

Acordar quando ainda está escuro. Levantar-se, pegar ônibus cheio, estudar e ir trabalhar. Chegar em casa quando ainda está escuro e acordar para mais um dia cheio. Tem sido assim nos cinco dias da semana. Tento não explodir e muito menos enlouquecer. Parece que o mundo se abriu para mim ou então eu me abri para o mundo.
Ir para a faculdade que escolhi é um sonho. Mas imaginem a nossa reação, ao descobrir que tudo que sabíamos não tem nada a ver. Que na realidade, não sabemos nada e que temos muito que aprender. Imaginem ver, sua nova professora te colocando na parede e você tendo que responder uma pergunta e descobrir que seu conceito sobre escrita é completamente deturpado e que você não sabe nada!
Procuro me encontrar, mas todas as portas que abri estão fechadas. Meus amigos não são mais os mesmos. Não os reconheço e tudo parece ter mudado. Para quem não tinha nada para fazer, até que esses dias têm sido bem agitados.
Descubro que uma das minhas amigas está grávida. São muitas informações e procuro a mim mesma nesta confusão. Nem eu mesma me encontro.
Tento entender o que aconteceu. Mudo o cabelo e meu jeito de vestir. Mas aquela velha Juliana ameaça nunca mais voltar:
- Juliana, aonde você está?
Ela não responde. Alguém a raptou.. Agora pertence ao passado.
Tudo está mudando muito rápido.
Só estou deixando tudo acontecer..


Sem grana, meio perdida mas com muita certeza. Sim, eu era aquela de verde com sorrisão no rosto.

domingo, 22 de agosto de 2010

Diário de uma caloura




Então a semana de Trote passou. Chegou bem rápido e foi mágico. Fiquei nervosa, com frio na barriga, tive que faltar o trabalho mas fiquei imensamente feliz. O meu trote teve um gosto de liberdade que ninguém tem ideia. Mesmo que fique toda atarefada com horários, grana para passagem e tudo mais. Valeu a pena, ou melhor vale. Mesmo que amanhã tenha que acordar as cinco da manhã s sofra com o transito. Estou indo em busca do que tanto amo. Tenho aula de espanhol e tenho inúmeras apostilas para tirar cópia e livros para comprar. Mas estou feliz.Até fiz amizades.Eu precisava. Não vou sumir do blog, mas se por acaso eu demorar para postar vai ser porque estarie fazendo alguma redação sobre Machado de Assis ou estudando grego genérico. Mas sempre estarei aqui. Não vou sumir. Bem, tenho que dormir. Quem sou eu na foto?
Quem adivinha, ganha um doce!

domingo, 15 de agosto de 2010

* Um caminho para um sonho*


A vida é um círculo. Somos todos marinetes dependentes e viciados neste círculo. Mas há um momento em que simplesmente percebemos que é hora de recolher e cada um seguir o seu caminho. O caminho para seguir nossos sonhos, não é nem um pouco fácil. É o caminho mais tortuoso, mas sacrificante e o que requer inteligência e dedicação. Temos que nos entregar, batalhar e aprender com ele, depois de tanto ralar os joelhos para finalmente conseguirmos avançar o degrau que tanto queríamos. Mesmo assim, quando conseguimos, sabemos que ainda há um grande espaço a correr. E que este espaço exige tudo o que sobrou de nós. Difícil? Talvez. Caso fosse fácil demais, não teria tanta graça. De repente, faz parte do plano de Deus, que as coisas sejam assim. Mas quem somos nós para reclamar? Isso tudo talvez sejam lições que tenhamos que passar. Faz parte da vida. E no final, quem ganha são os grandes. Os grandes de sede, de fome, esperança, sonhos e as boas pessoas. E aqueles que foram maus, na maioria se rendem buscando um caminho mais iluminado. É muito bom abraçar um sonho. O meu só está começando. Estou cheia de garra, vontade e muita sede de abraçar tudo de uma vez só. O estudo, os livros, as lições e experiências. Que venha a minha faculdade de Letras. Estou esperando de braços bem abertos.
Amanhã é o meu primeiro dia de aula. Estou com um turbilhão de emoções dentro de mim. Pensando em mil coisas e com muitas dúvidas.
Meus colegas de turma irão participar do trote, mas eu assumi responsabilidades de uma adulta e não posso. Em parte eu entendo e outra não.
Isso é um ritual que todo jovem tem que passar, para se divertir e mostrar que sim, ele passou. Só que eu já envelheci uns dez anos e não tenho ninguém para arcar com minhas despesas.Ou seja, não posso faltar ao trabalho. As roupas que compro, minhas dívidas e tudo que preciso só depende de mim.
Muitos jovens não precisam de preocupar porque tem os pais. Mas eu não. Tenho só a mim. Às vezes, ter responsabilidade demais me confude. Mas esse é o meu caminho.
No final de semana, posto as notícias e tudo sobre a minha semana como caloura na UFRJ.

sábado, 14 de agosto de 2010

A vida tem dessas coisas...


“A vida tem dessas coisas
Olha só nós dois aqui
Presos no elevador numa noite sem dormir”

A vida tem dessas coisas, Ritchie




Eu e minha colega de trabalho Pam, enveredamos em uma conversa um tanto polêmica e madura. Ela estava me contando sobre a noite anterior, na qual havia ido à formatura de uma das suas melhores amigas. Ela me contou que essa amizade tinha dez anos e que elas já tinham até parado de se falar. Mas isso em nada diminuiu o laço que havia entre as duas. Foi quando me recordei de uma das amizades que tenho.
Eu e V somos duas pessoas completamente diferentes. Ela é toda estranha e bobinha, enquanto eu sou mais esperta e mais compreensível. Essa amizade já tem vinte anos. Ela já passou por tudo: por épocas boas, ruins e muitas brigas. Já bati nela, ela já falou mal de mim na frente dos meus amigos e eu vivia achando que aquilo não era amizade. Um belo dia, em um dos dias mais difíceis da minha vida: lá estava ela. Ela não pensou duas vezes, veio ao meu encontro e estava ali a minha espera. Quando a vi, não tive dúvidas da sua amizade.
Eu havia ligado para ela. Só que antes de ligar para V, pensei em ligar para uma outra amiga. Pensei que “a outra amiga” fosse ao meu encontro ou se importar comigo. Só que tive medo da resposta dela e não liguei. Estranhamente, essa amiga que não liguei foi uma das poucas pessoas que soube do que aconteceu. Ela nem ao menos me ligou para ver se estava tudo bem e até hoje não me fez nenhuma pergunta sobre o que aconteceu. Já a V, que achava que não fosse minha amiga, foi ao meu encontro tendo uma festa marcada. Ela não pensou duas vezes. Ainda por cima, depois da festa, V ainda passou na minha casa com seu namorado figuraça para me animar.
Aquilo calou a minha boca e me fez mudar a minha concepção de amizade. Ser amigo não é só ficar ao lado a pessoa nos momentos felizes. Ser amigo nos bons momentos é fácil. Ser amigo é também estar presente na dor, na tristeza e dificuldades. Isso fez mudar a minha opinião sobre a outra amiga.
Essa amiga mudou completamente, não é a mesma que conheci. Ela era como eu, curtia os mesmos programas e mesmas opiniões sobre diversas coisas. “A outra amiga” diz que não tem tempo, nem tem como se encontrar comigo. Mas com os seus outros amigos, já foi a diversos lugares. Sim, me senti posta de lado e preferiria a versão antiga da minha amiga. Acho que ela pirou por ser tão diferente dos que andavam com ela.
Por exemplo, lá no meu trabalho sou umas das poucas pessoas diferentes. As pessoas de lá se amarram em ir a boates, pagodes, beber até cair e fazer sexo com estranhos. Não pense que sou puritana, mas esse comportamento “vazio” não faz o meu estilo. Legal, não estou falando mal. Isso só faz parte da personalidade e gostos deles. Mas não do meu. Sou o tipo de pessoa que se amarra em ir a shows de bandas, covers, barzinhos, lanchonetes, museus, teatros e cinemas. Não pense que o povo não me criticou. Elas fizeram cara feira para tudo que disse que gosto.
Mas quem disse que grilei? Não, essa sou. Isso faz parte de mim. Não ligo para o que eles pensam ou deixam de falar. Mas pelo visto, minha amiga não gostou de ser fazer papel de bobinha ou tem vergonha do que era.
Já estou acostumada com isso, ela só está no mesmo caminho de outras amizades que tive. É triste, mas acontece.
Já me falaram que poderia escrever um livro sobre as minhas amizades, porque as histórias mal fadadas que tenho dariam belos capítulos. Tudo isso que aconteceu, teve um lado bom e ruim. O lado ruim é que nossa amizade talvez, não seja a mesma coisa nunca mais. O lado bom é que me fortaleceu. Me fez ver que não temos que nos apoiar e contar com nossos amigos, mas sim contar com nós mesmos.
Sim, até doeu. Mas parto de princípio de que a decepção não mata. Ela ensina. Eu sei que nada será como antes. Mas sei que serei sempre eu mesma. Autêntica e original. Posso mudar o jeito de me vestir e andar, mas as minhas origens e meu jeito de pensar vão estar embutidos dentro de mim.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Vamos ser riot girl como Lily




Eu sempre me identifiquei com essas cantoras polêmicas. Diariamente, deixo as pessoas de cabelo em pé. Elas acham que pelo simples fato de você ter cara de anjinho e se vestir que nem uma menina romântica, isso signifique que você é "boazinha". Por trás dessa aparência amigável, existe uma menina terrível que adora aprontar.
Por conta disso, sempre admirei Lily Allen. Suas músicas são tranquilas e suas letras para lá de irônicas. Eu amo isso. Lily tem uma trajetória um tanto contraditória. Teve problemas na escola e não é o tipo de celebridade a ser seguida.
Mas eu não gosto de celebridades boazinhas. Elas tem que ser humanas, ser acessível a erros. Lily bebe, se apaixona, briga com a família, faz as pazes, se deixa fotografar nua, fala mal de outras celebridades e fica grávida(!).
Sim, até mesmo Lily finalmente caiu na cilada da vida. Estou feliz por ela. Agora ela começa uma outra fase em sua vida. Como mulher e mãe. Ela está grávida de três meses e seus fãs como eu, estão eufóricos. Uma pena pois nem tão cedo, vamos assistí-la nos palcos.
Mas eu amo sua reverência e seu jeito único de ser.

Ouvindo o quê? Minha baixinha
Lily Allen - It's Not Me, It's You

sábado, 7 de agosto de 2010

No Mundo dos Sonhos

Os sonhos sempre representaram um assunto muito decorrente na literatura. Esse fim de semana estréia o filme “A origem” de Christopher Nolan, o mesmo diretor do Batman, o Retorno. Que se diga de passagem que é um dos melhores filmes de 2008. O filme protagonizado por Leonardo Dicaprio e no elenco ainda tem Ellen Page, Michael Caine e Gordon - Levitt (o maravilhoso Tom de 500 dias com ela e Dez coisas que eu odeio você). Confesso que quando vi o thriller no cinema não me empolguei muito, mas depois lendo matérias sobre o filme fiquei vidrada. Este filme vem sendo comparado a matrix, mas a estória em si é muito boa.
No filme, Leonardo Dicaprio é um ladrão de sonhos. O post em si não é sobre o filme, mas sobre em si à idéia. Sonhos sempre foram assuntos que as pessoas se encantaram e se tornaram obcecadas.
Me lembro quando tinha cinco anos, minha Tia Maria tinha um livro intitulado de “Revelações de sonho”, a capa era vermelha e tinha um desenho de um rosto. Dentro da mente, havia algo como o céu. Todo o conteúdo era voltado para os significados de sonhos. Foi ali, pela primeira vez, que ouvi falar que sonhar com cabelo, unhas e dentes caídos significava que alguém iria morrer. Foi ali também que descobri que quando você sonhava com morte significava mais tempo de vida e saúde a determinada pessoa.
Sonhos nunca fizeram muito a cabeça. Sou o tipo de pessoa que nunca fui presenteada com bons sonhos. Meus sonhos não têm pés nem cabeça, meio que como aquele filme “A beleza americana”. Eu acabo acordando revoltada, pois acordo exausta e o conteúdo do sonho em si não é nada bom. São cenas soltas e imagens sem sentido. Como eu e algum restaurante e conversando com pessoas que nem falo. Também tem os pesadelos que são os piores em minha opinião, eles mais pesados e não são leves feitos os sonhos. Acordo no meio da noite, não consigo mais dormir e aquelas imagens ficam martelando em sua cabeça feito pagode ruim.
Os últimos sonhos que tive foram completamente sem noção. Em um deles, sonhei que estava flertando com Caio Castro, o ex- galã de malhação. O estranho que nem ao menos sou fã dele, só o acho bonito e um dia desses comentei com uma amiga de trabalho que ele estava muito bonito no papel que fazia. Minha psicóloga falou uma vez que às vezes acordados ficamos meio obsessivos com algumas idéias e podemos acabar sonhando com ela, como se estivesse descontando ou descarregando feito um aparelho eletrônico. Já o outro sonho que tive, estava em uma casa diferente e um cara que mal falo do trabalho me obrigou a ficar trancafiada com ele. Esta pessoa ainda arrancou um beijo de mim. Completamente sem noção, porque além dele não fazer o meu tipo, tenho namorado e nem ao menos nos falamos. A única coisa que percebi nele desde a primeira vez que o vi, é que ele se parece demais com um cara que conheci há um tempo. A semelhança física me assusta.
Teve algumas vezes em que fui brindada com sonhos bons e inesquecíveis. Mas esses eu conto nos dedos das mãos e fiz questão de registrar em meu diário/agenda. Eu me lembro nitidamente dos três. O primeiro que tive, foi com o Daniel Radcliffe. Sonhei que ele vinha ao Brasil, aparecia em um shopping muito badalado aqui no Rio e eu o conhecia. Eu que sou Pottermaníaca acordei nas nuvens naquele dia. O outro foi com Hugh Jackman, mas conhecido como Wolverine ou Logan dos X-man. Talvez vocês não saibam, mas além dele ser um dos meus atores preferidos, ele é uma espécie de meu galã preferido. Algo como as garotas de hoje em dia enxergam no Fiuk ou Luan Santana. Voltando ao sonho, sonhei que o conhecia e tinha um romance com ele (não riam). Aquele sonho foi real demais e às vezes me pergunto se não, será um dia realidade.
O terceiro sonho bom é o mais recente. E não contei a quase ninguém. Por medo da inveja ou de alguém estragar as minhas esperanças. Mas aqui no blog, todo mundo sabe das minhas vontades e sonhos. E não tem porque esconder isso de vocês. Não é nenhum segredo. Neste terceiro sonho, estava em uma sala muito alta e bem larga. Havia livros por todos os cantos e muitas estantes. Meu coração bateu forte naquele minuto que entrei. Tinha uma cadeira e mesa de madeira, eu me sentei e um homem todo de preto, vestido de trajes sociais, moreno e de barba feita tinha um papel e uma caneta na mão. O papel era uma espécie de documento. Eu estava vestida de, sobretudo rosa e meia listrada preto e branco. O tal homem me convidou a assinar um contrato para assinar o meu livro e disse que seria um grande sucesso, porque estava sendo muito requisitada. Eu fiz questão de guardar cada detalhe daquele sonho. Eu vivo com ele na minha mente desde então.
E odiei ter acordado. Se continuasse, teria muito mais detalhes.
Já ouvi dizer em algum lugar que sonhos podem acontecer. Como se fosse uma espécie de clarividência. Só que nunca gostei de sonhar. Tenho históricos ruins. Sonho acordada
e sempre que vou dormir rezo antes (sou religiosa) e peço que me livre tanto dos sonhos e dos pesadelos. E assim consigo dormir bem durante a noite.
De qualquer forma, sonhos em si parecem bem fortes. Quem não conhece a história de Stephenie Meyer? A mesma confidenciou que o enredo de crepúsculo surgiu em uma noite de Junho que chovia muito e que não conseguia dormir. Ela disse que sonhou com um garoto muito pálido e muito bonito em uma sala dizendo a uma outra adolescente comum que não suportava ficar perto dela, pois sentia vontade de matá-la devido ao apelo e aroma de seu sangue.
Outra escritora que também tem uma história parecida é L.J Smith. Autora da série de Diários de Vampiro, ela confidenciou que tanto essa série e outros livros surgiram de seus pesadelos mais nítidos.
Bem, se Leonardo Dicpario é ladrão de sonhos e se isso realmente existisse. Stephenie, L.J Smith e uma penca de escritores estariam ferradas com ele. No filme, ele rouba sonhos para se dar bem. Se isso realmente existisse, viraria moda.
Não gosto de pensar na idéia de que sonhos podem virar realidade, por conta das cenas sem pé nem cabeça. Porém, por outro lado, seria realmente imperdível e saboroso. Meu grande sonho se realizaria e ainda teria uma chance com o Wolverine? Muito bom não?!



Que fique claro, alguns sonhos são melhores não realizar.



Di, meu amor. Caso esteja lendo o blog, fique tranqüilo. Isso tudo são apenas sonhos. A realidade é outra coisa e é ela quem conta. Te Amo!

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Meus super amigos




Hoje eu acordei saudosista. Tem dias que a gente acorda desse jeito, ouvindo músicas que não escutava mais e lendo cartas antigas que só possuem sentido para nós mesmos.
Sinto saudades dos meus amigos. Muitos. Quem tem amigos de verdade sabe do que estou falando.
Tenho amigos preciosos que infelizmente o meu horário de trabalho não me permite ver sempre. Eles ficaram de férias e eu nem os vi. Ninguém imagina o quanto estou insatisfeita e me sentindo uma péssima amiga.
O pior disso tudo, é que sinto muita falta mesmo. Acontece que sou uma pessoa muito difícil de fazer amigos, além der ser muito tímida também sou muito desconfiada. Nem no meu próprio trabalho fiz amigos.
Eu entrei para trabalhar concentrada em não fazer amigos. E não me arrependo. A "maioria" das pessoas que trabalham comigo são pessoas completamente entediantes. São jovens que poderiam estar estudando, para tentar melhorar de vida. Ao invés disso, só pensam em sair na noite, curtir, sexo e bebidas. Isso me entedia completamente. Sinto- me como se estivesse dentro de uma bóia prestes a afundar. Eu ando sozinha por lá e quando estou acompanhada de alguém, são de senhoras que trabalham comigo. Não me compreendam mal. Mas talvez eu seja, bem amadurecida diante daquelas crianças.
Eu tenho amigos de todos os tipos: desde os nerds até mesmo piriguetes. Mas as minhas amigas "piriguetes" são pessoas honestas que não escondem que são realmente piranhas. Eu sempre admirei a capacidade das pessoas de serem quem ela são, sem precisar fingir ser uma coisa para papai e mamãe.
Com os meus amigos, a gente conversa sobre filme, livro, música, seriados, conselhos e dores. Alguns amigos meus são da igreja e um deles quer ser pastor, a outra é bióloga e o outro quer ser engenheiro-comediante. E eu os amo de qualquer jeito. Eles fazem parte da minha vida. Dividimos opiniões, gostamos das mesmas cores e fomos criados bem parecidos. Esses são os meus amigos.
Ter que aturar pessoas que não tem nada a ver comigo é dose.
Sinto muita falta dos momentos maravilhosos e alegres, regados a rock, literatura e amizade. Eu não me esqueci de vocês.
Saudades de 2008*


"É bom desconfiar dos bom elementos"

Céu

domingo, 1 de agosto de 2010

Momento Indie

- Mais um final de semana se despede. Adoraria que amanhã fosse o dia da minha folga novamente. Não quero trabalhar, ou melhor, estou completamente desmotivada. Além de odiar o meu emprego de telemarketing; a rotina é estressante, não fiz amigos e minha nova Supervisora é chata, atrapalhada e pega no meu pé.
Queria trabalhar com algo que realmente amo. Sei que trabalhar como escritor no momento é algo muito inalcançável, pois é uma profissão que não lhe dá remuneração imediata. Mas gostaria de trabalhar como jornalista, crítica. Alguma coisa no meio literário.
Às vezes me pego sonhando com essas coisas. Será que algum dia realmente irei conseguir? Só Deus tem essas respostas.
Meu horário na faculdade já foi disponibilizado. Eu já tinha certeza de 75 % da grade, mas quase desmaiei quando descobri que terei aula de Teoria Literária à tarde.
O plano inicial seria trabalhar e estudar. E tudo leva a crer que toda sexta feira vou chegar atrasada. Não me entendam mal. Não posso ficar sem as aulas e nem o trabalho. Sei que ficar chegando atrasada não é legal. Mas também sei que se fizer isso, meu emprego não será eterno. Não tenho outra escolha. Isso é o que tenho em minhas mãos.

Minha banda do momento é Arcade Fire. Comecei a ouvir por acaso porque não fazia muita fé neles não. Mas depois que passei a ouvir Indie Rock e folk, passei a me soltar e não ser exigente demais. O Arcade tem uma fama de caipiras. Mas isso nem tem nada a ver. Nunca vi caipiras tão estilosos e com um rock sentimentalismo cabeça. Parece ter saído do filma “500 dias com ela”. Amo músicas desse tipo. Meio alternativo, meio retrô.
É, eu sei. Digamos que dentro de mim existem mil Julianas. Essa Juliana que falo no momento é aquela que é doida por filmes como “Juno”, “Encontros e Desencontros” de Sophia Coppola,” O brilho eterno de uma mente sem lembranças” com Kate Winslet e Jim Carrey,” Um beijo Roubado (o melhor) com Norah Jones e Jude Law,” O fabuloso destino de Amelie Poulain” e” Curtindo a vida adoidado”. Esse lado mais despojado que ouve Malu Magalhães, Kings of Leon, Blood Red Shoes, The Bravery, Little Joy, The Strokes e The Moldy Peache. Essa Juliana que anda de tênis, casaco de xadrez e curte paisagens distorcidas.


Saudades de você Alê, esse papo de Indie Rock tem a nossa cara né?
Minha amiga blogueira!
Quando não estiver ocupada com seus bichinhos, me procure. Muita saudade!
http://ale-pequenascoisas.blogspot.com

sábado, 31 de julho de 2010

Mais de um milhão de coisas que aprendi ...


Hoje foi um dos meus melhores dias e terminei a noite chorando.
Digamos que coloquei em prática, tudo o que tenho tentado modificar em teoria. Talvez muitas pessoas não saibam, mas mudei muito o meu comportamento. Sempre fui uma pessoa que apesar de tímida, sempre foi bem explosiva. Fazia tumultos e na minha opinião, brigar resolvia tudo.
Até que então, tive que mudar. Os dias foram se aproximando, mas passei por um teste no qual tive que manter as minhas unhas e língua bem guardados.
Infelizmente tive o desprazer de ver uma das garotas que mais odeio na minha vida hoje a tarde. Ela é o tipo de pessoa vulgar, fake e que todos devem ignorar. Eu a odeio com toda a minha força. Para completar, ela é amiga da minha cunhada e conhecida do meu namorado(infelizmente, nada é pefeito...). Sendo que hoje, foi chá de bebe da minha cunhada. Então adivinha quem estava lá?
Sim, a bruxa do 71. Ela é o tipo de mulher que usa roupa e maquiagem para chamar a atenção, tudo porque por dentro é completamente oco.
Minha vontade era poder surrá-la até ela pedir arrego. Mas hoje era festa da minha cunhada que amo de paixão. E eu também não podia mais fazer aquilo. Caso fizesse (não surrá-la, mas demonstrar que não estava nada contente em ver a feiosinha) seria pior para mim. Além de estragar o meu sábado, iria também fazer ela se sentir nas alturas.
Foi a hora então, que o outro lado meu que não conhecia despertou:
" É agora ou nunca Ju"
Se eu desmoronasse, estaria dando razão a ela. Acima de tudo, precisava demonstrar para ela, para todos ali e o meu namorado que sua presença não me incomodava.
Até que a vi. Usava um vestido preto e tinha uma maquiagem que já vi em muitas garotas de programa. Meu namorado falou com ela e a vaca simplesmente mandou um beijo para o meu namorado e eu?
Sorri para ela. Nunca na minha vida dei um sorriso com tanta vontade, cheio de felicidade.
Antes de abrir um enorme sorriso, pois antes estava com um médio, ela me encarou e levantou a sombrancelha tentando deomonstrar a aversão por mim. Só que ela entrou em choque e ficou atordoada. Ela não esperava isso.
Ninguém esperava isso. Eu fiz algo que ela não esperava e ainda por cima não dei na mesma moeda.Deve ter sido difícil saber que ela não me abalou nem um pouco. Percebi que ela demorou para acreditar. Até ficamos conversando na mesma roda. Eu nada fiz. Nenhuma cara feia, nenhum bico. Apenas um verdadeiro sorriso de felicidade.
Então percebi que essa minha ação, só trouxe mais felicidade na minha vida. se fosse em outra época, se eu não tivesse mudado, estaria discutindo terrivelmente com meu namorado. Mas não pelo contrário, terminamos a noite super bem, mais unidos e apaixonados do que nunca!


"Obrigada Carla( a bruxa do 71), não faz ideia de como me fez bem!"


Eu me senti viva, terrivelmente feliz e chorei ouvindo Arcade Fire. Chorei porque foi muito difícil mudar. Principalmente quando envolve a sua felicidade. Mas eu consegui, conquistei. Agora não quero saber de outra coisa. Só quero saber de ser feliz!


In the suburbs I
I learned to drive
And you told me we'd never survive
Grab your mother's keys we're leavin'

You always seemed so sure
That one day we'd fight in
In a suburban world
your part of town gets minor
So you're standin' on the opposite shore
But by the time the first bombs fell
We were already bored
We were already, already bored

Sometimes I can't believe it
I'm movin' past the feeling
Sometimes I can't believe it
I'm movin' past the feeling again

Kids wanna be so hard
But in my dreams we're still screamin' and runnin' through the yard
And all of the walls that they built in the seventies finally fall
And all of the houses they build in the seventies finally fall
Meant nothin' at all
Meant nothin' at all
It meant nothin

Sometimes I can't believe it
I'm movin' past the feeling
Sometimes I can't believe it
I'm movin' past the feeling and into the night

So can you understand?
Why I want a daughter while I'm still young
I wanna hold her hand
And show her some beauty
Before this damage is done

But if it's too much to ask, it's too much to ask
Then send me a son

Under the overpass
In the parking lot we're still waiting
It's already passed
So move your feet from hot pavement and into the grass
Cause it's already passed
It's already, already passed!

Sometimes I can't believe it
I'm movin' past the feeling
Sometimes I can't believe it
I'm movin' past the feeling again

I'm movin' past the feeling
I'm movin' past the feeling

In my dreams we're still screamin'
We're still screamin'
We're still screamin'


The Suburbs - Arcade Fire ( a minha melhor banda do momento)

domingo, 25 de julho de 2010

No reino do faz de conta

- Estou escrevendo um livro de RPG.
Pronto, falei. Não estou escrevendo sozinha, na verdade está sendo uma parceria com o meu namorado - faz tudo Djan Skwara.
Na realidade conheço muito pouco de RPG,quem saca mesmo para valer é o meu namorado. Então imaginem que se já é difícil escrever um romance, imaginem uma história de fantasia que contém ação e personagens?
Pois é. Não é uma tarefa fácil,mas posso dizer que é bem interessante. Sempre curti esse gênero, mas pretendo(com algumas ressalvas do meu namorado) escrever a estória do meu jeito. O conteúdo tem que ter a nossa personalidade, dizer ao que veio e não ser só mais uma cópia.
Muitas pessoas que gostam de ler, criticam o gênero pois acham que o enredo se concentra apenas na ação. Porém J.K Rowling chegou com tudo, quebrou todos os conceitos e reinventou o seu.
Eu gosto é disso, de interagir a profundidade dos personagens com a ação. É por isso que esse livro quando pronto, vai ter a minha cara e a cara do meu namorado. Na hora de escrever, escrevemos para nós mesmos e mais ninguém.
Essa é a realidade de um escritor.
E a criatividade não é sua maior aliada e sim a sua melhor amiga e inimiga. Esse é um processo mais difícil. Mas isso é um outro post.


Good Nights e sonhem com Unicórnios

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Quem foi que lhe tirou do paraíso?



- Sou a mais nova viciada em True Blood ou na série de livros "Vampiros Sulinos" de Charlaine Harris. Como queiram chamar. O que eu posso dizer? São histórias viciantes que me hipnotizam e eu não consigo parar de ler. Graças a uma benção da minha amiga Mariana, tenho todos os livros para ler a hora que quiser e bem entender.
Infelizmente me perdi nas temporadas da série. Por mais que eu curta, sempre me perco. Mas o pouco que vi, percebi que ela é toda baseada nos livros. E isso é muito bom. Não houve muitas mudanças e caminha perfeitamente com o rumo natural dos livros. O que é ótimo. Ívina, minha amiga também viciada em caninos disse que demorou muito para colocarem a terceira temporada no ar. Tudo porque são cinco livros e eles tem que ir devagar, senão a série termina logo.
O melhor de tudo, é que apesar de ser super fã de Crepúsculo, tenho que admitir que esta série é muito mais fiel e autêntica com a natureza dos vampiros. Eles são seres impulsivos, atraentes, envolventes e agem conforme a sua natureza dita. Não saem ao sol e o melhor de dia, se escondem em buracos. Para lá de primitivo.
O vampiro Bill é incrível, não tem como não babar por ele. E está muito claro, que a série esconde algo que por algum motivo só no final se revelará. Eu já sei o que é, mas não vou contar para não estragar a história.
O melhor ainda dos livros, é que Charlaine não nos decepciona nas "partes mais movimentadas", visto que stephenie meyer teve que ser censurada.
Bill Comptom poderia ser um rockstar. Eu queria, de verdade, ele para mim rs.

Música ideal para se ouvir, lendo http://www.youtube.com/watch?v=So0OwM_84qE&feature=fvsr

sábado, 17 de julho de 2010

Eu & meu sonho

Na quinta feira, fui até a minha faculdade fazer a inscrição de disciplinas na UFRJ. Além de estar muito frio, estava com um frio enorme na barriga. Estava mergulhando em busca do desconhecido e não fazia ideia de como seria. Esperava por aquele dia anciosamente e seria toda a tradução dos meus sonhos. Descobriria enfim as matérias que teria que estudar e além de tudo,conheceria meus colegas de turma. Foi melhor que eu pensei. Apesar de longe e da UFRJ ser um mundo, eu não me perdi. Descobri que tem todo tipo de gente na minha turma: desde roqueiros e até uma senhora. Imaginem a surpresa que fiquei quando me deparei com todas aquelas pessoas. Por mais que digam, que Letras é um curso que tem muita mulher, me deparei demais com rapazes. Nem tudo é o que parece.
Pela primeira vez em tanto tempo, fiquei realmente feliz, motivada. Estava entre os meus. Ali, naquele lugar, tudo o que eu sabia, todos os livros que amava e todos os poemas que copiei no meu armário não era surpresa para eles. Pela primeira vez, em tanto tempo, falar sobre Kafka e Machado de Assis não era estranho e ninguém me olhava com cara de bunda. Rapidamente me enturmei, na fila para a inscrição diz amizades com quatro pessoas. Posso dizer que foi muito divertido e sozinha parece que não vou ficar.O prédio aonde vou estudar é lindo e inspira criatividade, liberdade e arte. Como eu amo aquele lugar. Não vejo a hora de estudar enlouquecidamente. Sei que talvez não tenha tanto tempo para o blog, mas não vou fechá-lo e nem abandoná-lo. Vou mante-lo sempre que possível. Só será o tempo de poder me organizar. Pelo visto vem muita coisa boa por aí. Perdi muitas rugas naquele dia que o telemarkenting criou.
Para completar o meu dia, descobri uma das melhores bandas da atualidade: Arcade Fire com a música The Suburbs. Estou lendo " Breve segunda vida de Bree Tanner".
Tenho escrito tanto, tantos projetos e parcerias... mas prefiro fazer surpresas. Na hora certa todo mundo vai saber. Eu amo voces!

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Me Deixa


- Acordar e se mostrar. Mais um dia de trabalho. Ônibus cheio, gente feia e muitos sonhos na minha cabeça. Mal chego no trampo e sinto uma vontade louca de ir para casa, ouvir as minhas músicas, ler meus livros preferidos e ouvir as músicas que fazem na minha cabeça. Ainda tenho que aguentar pessoas que nem curto comentando da minha roupa. Tudo sobre mim é assunto para eles. Desdes as minhas roupas, meias, brinco e até os biscoitos que levo. Estou esgotada disso. Foda-se as minhas roupas. Sou quem quero ser. Vou usar minhas roupas preferidas e odeio esse tipo de inveja. Não sou modelo para ser copiada. Não gosto que fiquem reparando em mim, não gosto que me invejem. Inveja é um sentimento feio. Se você gostou de qualquer coisa que eu uso vai ficar querendo saber aonde comprei. Não falo, só porque quer saber. Essas pessoas do meu trabalho acham esse emprego o melhor do mundo. Acomodam-se. Se deus quiser, vou fugir dali rápidinho.
Estou cansada e o próximo que disser qualquer coisa, vai tomar um foda-se. Ah não tenho amigos no meu trabalho! Esse texto foi um desabafo sobre essas pessoas e não é um fora a vocês. Só precisava botar isso para fora.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Toda Roqueira tem o seu dia de mulherzinha;



Eu cansei.Confesso: Eu amo rosa e sempre fui fã da Avril Lavigne. Do que eu cansei? Bem, de todo esse comportamento. De que temos que ter tribos e dizer qual você é. Não sou produto para ser classificado que nem comida em supermercado. Estou desabafando sobre isso, porque vejo que como sempre os jovens adoram isso. Mas eu não. Gostar de Avril Lavigne e rosa, não me impede de gostar de Marilyn Manson e ouvir Hardcore. Se eu poder,sempre vou lutar contra essa palhaçada. Eu vou nadar contra a corrente sim! Eu gosto de salto alto, músicas pops e nada disso faz mal a ninguém.Depois que ficamos mais velhos, passamos a não ter medo de assumir das coisas que mais gostamos e fazem a nossa cabeça. Isso é maturidade e finalmente "Se encontrar".Faz parte, de uma para a outra, uma super roqueira que usa tênis all star descobrir que ama vestidos e sapatos de salto alto rosa. Eu não vejo problema nenhum nisso! Sou roqueira, mas meus melhores amigos são da igreja ou muito quietinhos. Esse é o meu jeito de ser! Sim, sou super contraditória mas não estou ligando. O mais importante, meus caros colegas, é ser feliz. Amar e ser amado. Rir e se divertir. Por isso, simples classificações não fazem parte do meu cotidiano. Eu quero ser eu, apenas a Juliana. Vambora, ser feliz! =D



http://www.youtube.com/watch?v=_133RgbBnRU&feature=channel (Ouçam)

sábado, 3 de julho de 2010

Um carioca chamado Machado


Era uma vez, um menino brasileiro muito inteligente apaixonado por livros e de uma origem super humilde. Ele nunca frequentou a escola, foi alfabetizado por um padre e por sua madrasta. Sua mãe faleceu quanto tinha 10 anos e ele tinha crises epilépticas. Ele entrou para a literatura brasileira como um mito. E eu sou sua fã número um. O homem em questão é Machado de Assis. Um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras (sagrada) e representante da cadeira número um. Criador de Capitu e marido de Dona Carolina. Machado era um homem boêmio, tipicamente carioca. Lutou para encontrar o seu espaço: Trabalhou como ajudante em uma gráfica, conseguiu escrever, publicar seus livros e foi funcionário público. Tem uma história muito engraçada sobre ele que ouvi uma vez e me identifiquei horrores: Quando ele trabalhava na gráfica, houve uma vez em que ele foi flagrado por outro funcionário lendo escondido para ninguém encontrá-lo. O tal funcionário fez queixa dele e o seu patrão apenas riu. O tal patrão em questão era o escritor Manuel Antonio de Almeida (autor de "Memórias de um sargento de milícias"). Já aconteceu a mesma coisa comigo. Um supervisor já me flagrou lendo escondido. Na hora, ele me deu uma dura. Mas assim que ele foi embora dei altas gargalhadas. Se eles pensam que a gente para de ler...! Machado era um cara simples que antes de se casar foi apresentando por Manuel ao círculo famoso de escritores da corte, como José de Alencar ("Senhora") e Joaquim Manuel de Macedo (“ A Moreninha"). Conheceu atrizes e sopranos (ele era fã de ópera) e teve casos com ela. Houve uma que se apaixonou por ele, sua paixão e casos ficaram conhecidos na época. Um dos motivos que escolhi Literatura Brasileira para estudar foi por causa de Machado. Antes de ler seus livros e contos, falei mal e julguei. Nunca façam isso. Esse é um comportamento errado. Nem conhecia e tirei conclusões precipitadas. Depois que li "Dom Casmurro", me viciei e li tantos outros de sua autoria. Quando comecei a trabalhar no centro da cidade, cheguei a ficar emocionada. Grande parte de suas histórias se passam por lá e andar por ali, era como sentir o espírito do Cosme velho (apelido de Machado) andando por ali. Cheguei a chorar. Como eu queria tê-lo conhecido, Conversado com ele. Tomado café e escrever algumas coisas juntos. Machado é a minha alma gêmea. Lá no centro da cidade, perto da Uruguaiana tem um pôster enorme dele. Meu coração ficou pequenino quando vi. Aquele lugar respira Machado. Olha a coincidência, eu trabalho lá! Eu sei Machado, tudo tem um motivo. Fico imaginando, se ele fosse vivo, um escritor atual, Machado iria gostar da Lapa, Noel Rosa, Samba, O Rappa, Circo Voador, Los Hermanos, Bebidas, opiniões polêmicas, Planet Hemp e D2! É, meu namorado ia ficar sem namorada rsrs. Sem dúvidas, ele seria uma pessoa interessantíssima e super moderna. Eu sei que sim.Um livro dele que mais teve impacto na minha vida foi Dom Casmurro. O final dele, no qual, Betinho encontra-se só me fez chorar horrores. Ele sabe como ninguém escrever sobre a solidão humana. Mas esta crítica de Dom Casmurro, isso já é outro post. O que importa é que Machado de Assis foi único, um carioca tão autêntico como eu. Ah, como eu amo Machado! É, sou Machadiana no sangue e na alma. Com muito prazer e muito orgulho. É uma pena os jovens não se interessarem por ele. Saibam que seus livros são ótimos, geniais e irônicos. Eles só possuem uma linguagem antiga, da época dele. E isso, é uma questão de respeito. Pois, imaginem essa linguagem adolescente internética? Pois é, A gente fala de Machado, mas não ficamos muito atrás. Para sempre Machadiana. Rio, sol e samba rock. Como eu amo tudo isso!

terça-feira, 29 de junho de 2010

O Livro Proibido


Confesso. Eu li " O Doce Veneno do Escorpião" da Bruna Surfistinha e gostei. Não é um dos melhores livros que já li. Mas também não é tão ruim. Adoro livros polêmicos, já havia acontecido isso antes com os da Mayra Dias Gomes, Clarah Averbuck, A Dama das Camélias e Christiane F. Deixo bem claro que esse livro é para aqueles que tem estômago forte. O que mais me chamou a atenção, foram os depoimentos dela. Ela foi honesta, verdadeira, transparente em todo o livro. Ela se despiu e contou pedaços de sua vida que se eu fosse ela não teria coragem de contar a ninguém. Confesso também que a ideia de Bruna Surfistinha como escritora me embrulhava o estômago. Poxa, com tanto escritor bom, logo alguém fora do meio rouba a cena? Mas acontece e paciência!! E eu, que sou viciada em livros sempre achei errado criticar sem ler. Fiz isso com Machado de Assis e me arrependi. Sou viciada hoje em dia nas obras dele. Então, acho que antes de julgar você deve experimentar. Menos as drogas hein pessoal? Pode parecer clichê, mas ninguém entende mais a Bruna Surfistinha do que eu. Ela foi adotada e não conheceu seus pais verdadeiros. Bruna teve coragem de falar sobre isso, dar a cara a tapa. Coisa que eu, não me sinto preparada para falar, nem lidar. Voltando a Bruna, seus pais tinham uma boa condição financeira. Ela teve tudo. Tudo o que queria ou sonhava, bastava ela pedir que seus pais davam. Era uma criança meiga, presa pelos pais e patinho feio. Na adolescência, naquela fase rebelde, começou a fazer birra por ser sentir desprezada e por seus a prenderem tanto com medo da violência. Ah, se eles sonhassem o que se tornaria anos depois...
Passou a andar com a "Turma do Mal" e despertou para as paixões e garotos. Não há dúvidas de que ainda como "Rachel Pacheco" ela foi para o mau caminho. Ela se drogou, roubou estranhos e inclusive, os próprios pais. Só que ela fez tudo isso por pura adrenalina. Na voz dela, o perigoso tinha muito mais graça e não tinha graça pedir dinheiro e ganhar dos seus pais. Ela pos a perder um futuro brilhante.Mesmo tento feito tanta merda(ela merecia um castigo), achei que seus pais pegaram pesado. Agiram como se ela não fosse filha deles.Lembrando que a adoção sempre foi assumida e Bruna tinha irmãs mais velhas, realmente filhas de seus pais verdadeiros. Fiquei me perguntando, se tivesse sido as filhas verdadeiras que tivessem aprontado, como os pais reagiriam? Depois disso, senti pena dela. Não deve ter sido nada fácil. Naquele momento a história me arrebatou. Bruna era cheio de complexos.Ela ficou de castigo e seus pais pararam de falar com ela, sem dar dinheiro e nem um oi. Não suportando a situação, ela deixou uma carta de despedida e foi embora em rumo a única coisa que poderia fazer. Apesar de ser inteligente e ter estudado em colégios brilhantes, ela cabulou muitas aulas e nem formada era. Só lhe restou a prostituição. Com apenas 17 anos na época. A essa altura era viciada e é a parte mais chocante. Rachel Pacheco despertou a Bruna, não escondeu que sim , sentiu prazer em muitos programas. O que achei nojento. Ela também não esconde que é bissexual e a compainha de uma mulher é muito bem vinda. Podem imaginar o quanto sua vida era excitante(Em todos os sentidos né? Rs). Hoje em dia, ela é casada e sonha em fazer psicologia. Até acho que tem a ver com ela. Fiquei sabendo que a Deborah Secco vai ser o papel principalno filme da Bruna. Achei nada a ver. Apesar dela ter um histórico típico de Bruna,Deborah é tão sem sal, que o filme tão forte vai ficar fraquinho. O filme terá imagens fortes e quentíssimas. Tem que ter estômago forte. Foi interessante ler, pois conheci outro mundo. Dá-lhe Bruna*
Ela tem um blog recente, que diz que foi aonde a fama despertou e fez para cobrir os momentos de solidão. O mais recente que descobri foi esse: http://naonaopara.virgula.uol.com.br/brunasurfistinha/. Então não me venha com a brincadeirinha: Bruna Surfistinha é uma puta escritora. Engraçadinhos!!

domingo, 27 de junho de 2010

Seguidores de Jorge


Eu não abandonei o blog. Graças a deus, meu Notebook voltou. Só estou trabalhando muito e sem tempo nem de ver meus amigos. Como eu me sinto? Um burro de carga. Sei que isso acontece com todo mundo, mas não estou acostumada com essa vida. Meu trabalho fica longe de onde mora, por conta disso tenho que "viajar" para lá cedo e na volta, sempre chego na hora de ir dormir. Experimente fazer isso 4 meses sem parar. Sem ver seus amigos, sem ficar longas horas na interner e sem ouvir suas músicas preferidas? Tento não enlouquecer. Por um milagre, meu dvd voltou e assisto meus filmes do coração. Sozinha, o sofá e eu. Meu namorado não mora muito longe, mas dia de semana só por telefone. Ele também trabalha. Meu primo Gabriel de 5 anos me faz compainha. Fico imaginado até quando será assim? Tem gente que está amando tudo isso. Só que aviso aos navegantes, isso não será para sempre. Meu futuro é incerto, mas tenha certeza de que não abrirei mão dos meus amores, amor e amigos. Estou ocupada no momento, mas eles me entendem e não me abandonam. Tudo vai dar certo, as coisas vão voltar ao lugar certo. Por quê? Porque sou guerreira e não desisto nunca. Essa é a minha vida, mas tenho ciência de tudo. Não vou desistir do que é meu. Por isso, xô inveja e tudo de ruim. Isso é só o começo. Meu santo é forte e se cair, eu sei levantar.

Sou guerreiro

"Eu não vim aqui pra pedir
O que eu quero eu vou conquistar
Se agora é hora de ir
Tô na estrada, sigo em frente
Eu não penso em fugir
E nem mesmo me consolar
Tenho medos e mesmo assim
Tô na estrada, sigo em frente

Eu não vim aqui pra pedir
O que eu quero eu vou conquistar
Se agora é hora de ir
Tô na estrada, sigo em frente
Eu não penso em fugir
E nem mesmo me consolar
Tenho medos e mesmo assim
Tô na estrada, sigo em frente

Enquanto eu tiver chão sob os pés
Enquanto eu puder caminhar
Enquanto eu puder estar viva
Enquanto minha hora não chegar
Talvez eu não vença o tempo todo
E ainda posso até cair
Só quero manter minha alma forte
Erguer a cabeça e seguir

Guerreiros são guerreiros
Guerreiros são guerreiros
E fazem zigue, zigue, zá
Escravos de Jó
Escravos de Jó"

Pitty

* Me inspirei em São Jorge para escrever este Post.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Dia após o outro

- Hoje eu acordei meio "fracasso". Todo mundo tem um dia ruim. Não quero trabalhar, o pessoal do meu trabalho é completamente chato e sem noção. Estou chateada por causa do que aconteceu comigo. Comprei um notebook novinho, trabalhei feito uma louca, fiz hora extra e a "coisa" parou de ligar com uma semana de uso. Estou lendo muito, tentando não pensar nessas coisas. Eu + tecnologia não nos damos bem.
Ouvindo músicas e tentando não chorar, porque está novela só está começando. E quando essas coisas acontecem, atacam a minha criatividade. Oh merda...

sábado, 5 de junho de 2010

Amantes da noite

Nova York estava linda, plenamente iluminada. As pessoas andavam felizes, com o sorriso estampado no rosto. Era sábado a noite, dia de Blues. Era o final dos anos 70,negros e brancos seguiam em rumo a discoteca "Pub Night"; a casa de shows mais negra e livre possível. Sr House, o barman mais sociável da casa era quem fazia as honras. Os músicos eram as pessoas mais incríveis que alguém poderia conhecer. Sem estrelismo, pura sinceridade e uma simpatia que a estrada não permitia ocultar. Faziam parte da banda: Bob Pantera Negra; o vocalista mais bonito e com uma voz que qualquer artista pop daria dinheiro para ter. Mary Ann, a primeira voz feminina, o que tinha de talentosa, tinha de reservada e a loura Rose, que mais fazia sucesso com os homens. Loira e aspecto selvagem, era bastante sonhadora. Os três se conheceram quando batiam perna na rua procurando emprego. Todos eles tem uma história e tanto. O que eles tem em comum? Ambos sofreram e sempre correram atrás dos seus sonhos. Isso os torna tão únicos! É por isso que todo sábado a noite, o público de Pub Night faz de tudo para ter o ingresso para a melhor noite de soul e Blues. O público varia, vai desde o senhor de idade que mora ao lado da boate ao rapaz de 18 anos que foi ate lá em busca de diversão e garotas. A noite começa as 20 horas da noite, quando a casa de shows abre. O trio Poderoso, como o público os chama, só pisam no palco depois das 21:30 horas. Um hábito que Bob Pantera Negra adquiriu e não consegue largar. Antes de tocar, ele bebe e caça aquela que será a sua amante durante o mes. Sua fama de garanhão só aumenta a cada dia. Ele, inclusive, teve um romance com Rose, mas não deu certo, ele queria faze-la de escrava e Rose queria um marido e não amante. Já Mary Ann, ninguém nunca conseguiu entender o que se passa. Ela tem uma história triste, que liberta no momento em que começa a cantar...Já Rose foi criada pela avó materna. Eles são artistas, sensíveis e geniais. Mas isso não aumenta, nem diminui o peso que carregam. Bob está cansado da vida solitária que leva e mais do que nunca, dentro dele; anseia em ter uma casa, mulher e flhos. Mary Ann sofre porque fugiu da sua cidade, família e amigos por causa de seu ex-marido que a batia por conta de seu ciúme obssessivo e Rose odeia ser vista como mulher objeto pelos homens. Apesar de sua aparencia feroz, ela é uma mulher a moda antiga que sonha com filhos e uma vida estável. Todos os tres são sonhadores. Não tem como não amá-los. Suas músicas transbordam pela alma e voam pela poesia que exalam. O Blues - Soul é um vício e do clube Pub Night não há como fugir.


" Conto da Noite"

P.S: O acento circunflexo deste texto foi comido pelo notebook, obrigada!

Bem, caso tenham gostado este conto terá continuação, só depende de suas respostas.

Crônicas suburbanas




Eu cresci. Estou em um momento da minha vida de muita reflexão. Mas todas elas valem a pena. Dizem que temos que sofrer e viver esses pedaços ruins para crescer. Acredito fielmente nisso. Porém quando acordamos com juízo, parece que carregamos o mundo nas costas. Não tenho medo, essa sensação e medo das palavras "Final do mês" e "pagar contas" faz parte de adultecer...Só que não enxergo algumas coisas de antes como agora. Por exemplo, todos os dias vivo correndo para pegar o meu busão para o meu trabalho.Tenho tempo, horário. Isso é responsabilidade. Então vejo na minha frente um rapaz de camisa preta, all star, fone no ouvido e com pose de mau. Juro, mas ele não me põe medo. Esse lance de ser revoltado e querer causar, não me impressiona mais. Não é que eu acho que não se deve ser assim. Eu amo usar preto e rock e sou uma pessoa mais inofensiva que uma formiga. Acaba que aprendemos que as pessoas más do dia a dia usam roupa de cores claras, são sorridentes e parecem inofensivas. Sim, essas são as piores pessoas e tem aquelas de terno e gravata que são impossíveis e deixam o senado de cabeça para baixo. Então não me levem a mal. Só que esses adolescentes só estão passando por uma fase de auto afirmação. E eu, mais do que ninguém, amo esse momento.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Disfarce de Brasileira





Ninguém entende quando você muda. O que acontece comigo, é o mesmo que acontece com 1 milhão de mulheres nesta faixa. Agora me vejo tão diferente do que era. Sinceramente nem sei o que acontece comigo. De uma para outra, roupas, saltos e músicas fazem parte de mim. Não deixei de ser molecona, mas sei lá..Aconteceu não tenho culpa! É difícil mudar. Porém parece que de um momento para outro, você aceita a feminilidade que existe dentro de você surgir e explodir.
Fiquei perplexa ontem. Fui em uma loja de cd e eles não tinham o cd da Joss! Agora, se estiver afim de emo e sertanejo music temos de sobra.O que me resta é encontrar nma net. Odeio quando essas coisas acontecem comigo. Não me sinto nem um pouco brasileira.
Todos os artistas que amo, ou não fazem show no Brasil, ou então é caro e só em SP!
É por isso que sempre digo que sou uma Brasileira disfarçada. Meus colegas do trabalho dizem que sou muito americanizada. Como se isso fosse pecado!


Minha música do momento:

"Attracted to the madness
excited if i think i can have it
call it querky, cute or sick but
i love the way hes got me trapped i wont look back
my god
(hook)
my god he's gorgeous
got some lovin all day
shut the phone off close the shades
my god
hes flawless
but his head wont stay on straight
hes just alittle crazy
how can i claim to be sane when ive fallen in love with him
im just as sick
orginal is critical
creative comes laced with mr. difficult
my girls watch my tears crawl
out of my eyes
streaming mascara falls
suggesting someone normal
my response to this
is normal dont exist at all, at all
my god he's gorgeous
got some lovin all day
shut the phone off close the shades
my god
hes flawless
but his head wont stay on straight
hes just alittle crazy
how can i claim to be sane when ive fallen in love with him
im just as sick
(uh uh uh ......)
my god
he flawless
oooh ooh
my god
hes gorgeous
my god he's gorgeous
got some lovin all day
shut the phone off close the shades
my god
hes flawless
but his head wont stay on straight
hes just alittle crazy
how can i claim to be sane when ive fallen in love with him
im just as sick"


My God, Joss Stone

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Minha alma negra e meu amor e ódio por Joss Stone



Joss Stone que roubou o meu sonho






Por Tahiana Andrade, do blog Idiotizando


Antes de mais nada, quero agradecer a Tahiana Andrade pelos selos. Ela me mandou muito mais que esses dois mais me falta tempo para postar aqui. Prometo ir colocando aos poucos. Em primeiro lugar, fico super agradecida de poder ganhar esses selos que para mim são grandes prêmios. Um reflexo da minha dedicação e carinho que tenho por este espaço, o meu espaço. Dividir com pessoas incríveis, mente aberta e super gente fina(como diria o meu pai, rsrs).

As regras deste selo são:

- Dizer 5 coisas que você gosta de fazer:

1) Curtir os sons que me interessam, as músicas que fazem sentido para mim.
2) Ler os meus livros que mais me interessam, não vindo ao caso se são de duendes, biografias ou romances mal sucedidos.
3) Namorar o meu Fotógrafo favorito: Djan Soares Skwara!
4) Escrever, escrever e escrever: Me liberta, me faz bem e amo demais isso o que Deus destinou a mim.
5) Ver filmes, seriados. Eu simplesmente não vivo sem!

- Indicar 10 blogs para receber o selo:

1)http://sonhosemvermelho.blogspot.com/
2)http://precisasedeumbestseller.blogspot.com/
3)http://www.ofantasticofuscaverde.com/
4)http://fotoclikarte.blogspot.com/
5)http://memoriasemo.blogspot.com/
6)http://eternamente-princesa.blogspot.com/
7)http://danielafilipini.blogspot.com/
8)http://anjodopo.blogspot.com/
9)http://nuvensdechantilly.blogspot.com/
10)http://whererainbowsend-xx.blogspot.com/

____________________________*_______________________________________________


Ando ouvindo Joss Stone loucamente. Ela além de linda, é talentosa, livre, solta e autêntica. Para quem não sabe, a Joss faz um som do tipo Soul meio Blues maravilhoso cheio de swing com uma tranquilidade incrível.E o que mais admiro na moça,é que ela tão solta que não tem um único estilo. Quando todo mundo espera que ela apareça descalça e de saia rodada, ela surge em um salto alto rosa com vestido de festa. Então quando todos menos esperam,lá vem ela toda hiponga. Essa coisa de ser livre, me faz identificar demais com ela. Acho que tenho uma invejinha dela. Ela tem os cabelos Rosa-vermelhão e piercing no nariz exatamente como queria ter. E não é só isso. A Joss roubou o meu sonho. Quando tinha 6 anos, por culpa do meu pai, ouvia soul sem parar com ele. Todas as noites, quando chegava do trabalho, colocava seus deuses do soul para tocar. Foi ali que minha paixão por soul surgiu e me fez desejar ardentemente ser uma cantora de soul, no maior estilo anos 70- 80 que se apresente em boates e discotecas de Nova York. Esse mundo sempre me fascinou. Queria ser como ela. Só que Joss foi mais rápida, sua carreira me faz lembrar exatamente do sonho que tinha. Os cantores de soul, são incríveis: estilosos, libertos. Era o mundo que eu sonhava para mim quando tinha 7 anos de idade. Para quem não sabe, o soul é uma espécie de samba para os Estados Unidos. É patrimônio cultural. Quando Stone surgiu, todo mundo olhou para ela boquiaberto:
- Quem é essa pirralha branquela?
Então ela calou a boca de todo mundo. Seus cd's são muito bons. A minha preferida é uma antiga, chamada "You had me". Sendo que se você ouvir as menos famosas, vai ficar com água na boca. São melhores ainda. Eu viajo!!
Viciei em Joss que mais parece uma fada. Minha alma é negra e quer viajar para Nova York. Viva o Soul!

domingo, 23 de maio de 2010

Ciranda



A Dona deste Blog, Juliana



Eu sempre gostei de experimentar. Uma parte de mim sempre foi muito precoce. Lia livros na quarta série que meus amigos só pegavam quando a professora mandava. Aos 14 anos, eu lia Nietzsche. Experimentei vinho aos 13 e meu primeiro beijo foi aos 11. Namorei pela primeira vez aos 16 anos e passei no vestibular com 20. Foram tantas etapas. Eu já fui várias Julianas. Desde a quietinha nerd a roqueira gótica. Eu mudo a cada instante, mas não me arrependo, faz parte. Já usei mais preto, já ouvi som mais porrada, já briguei mais com os amigos e chorei por eles. Mas tudo passa. Crescer te liberta de certos medos, mas aumenta outros. A menina Juliana Dá vez a mulher Juliana. Que hoje em dia usa salto alto(mesmo que ele seja vermelho), usa amarelo e lê Machado de Assis. Digamos que a outra Juliana vai sempre viver aqui. A essência não muda. Só que as vezes sinto medo e sinto falta de ser aquela adolescente doida que se jogava no maior estilo bung jump. Nada me impede de agir assim novamente. Gosto de experimentar. Aquilo que fazia sentido para mim há 5 minutos, já não faz mais a minha cabeça. Um dia falei mal dos emos e hoje sou a maior contribuidora. Um dia, já achei estranho o homossexualismo. Hoje considero normal. Ninguém é obrigado gostar do verde, só porque todo mundo gosta. Hoje em dia gosto de tango,Filmes Franceses, Fresno, escritores brasileiros, maquiagem e sair por aí.Não queira me limitar, eu não tenho rótulos. Eu sou um pássaro e amo a liberdade.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

" Montanha Russa"



Iria fazer um post diferente. Mas precisava falar sobre isso.As vezes, por conta da rotina e do dia a dia não conseguimos admirar a vida como ela é realmente. Nunca parei para pensar em como a minha vida mudou. No mês de Maio do ano de 2009, estava em um momento completamente diferente. Foi um ano pesado e estudava no pré- vestibular. Quando foi que pensei que não retornaria para lá e que estaria trabalhando, vendo filmes de madruga e acordando tarde? Nunca pensei. Pode ser pequeno, mas foram passos muito grandes que dei. Para uma garota que ia até o bairro mais próximo de ônibus, foi uma mudança e tanto. Por mais que reclame do tédio e da escravidão, trabalhar é uma experiência única. Agora tenho experiência, me sinto mais amadurecida e não tão infantil. Essa semana tem passado muito rápido, parece que o tempo sabe que daqui a dois meses, vou ter que tomar uma decisão que irá mudar a minha vida. Engraçado não? O tempo sabe e está apressando tudo só para eu ficar mais nervosa. Vou ter que escolher trabalhar ou estudar, ou então conciliar os dois.Ainda não pensei no que fazer. Deixar de trabalhar é uma decisão muito séria! Independentemnte do que vai acontecer, tenho a sensação de que algo muito grande está por vi. Algo muito bom. E que vai mudar a minha vida. Não importa, me jogo sempre. Não tenho medo. A vida é única e vale a pena experimentar, com doses de juízo. Outro dia, conversando com uma amiga minha rimos muito. Tudo porque, por mais, que o ano de 2009 tenha passado. Por mais que cada um tenha ido para um lado. No final todo mundo se reencontra querendo ou não. Acredito que certos encontros serão divertidos. Pelo visto, ainda terei muita história para contar. Então nunca pense que determinada pessoa não entrará em sua vida. TUDO É POSSÍVEL. A vida é mesmo uma montanha russa.


Que assim seja - Cidade Negra
Tudo a ver com o post, ouçam...