domingo, 17 de janeiro de 2010

Ovelha Negra





Eu nunca fui a certinha. Nem nunca falei isso. Mas para todo mundo, eu sou a ovelha negra. Principalmente para a minha família, com quem tenho inúmeros problemas e que não terminam nunca. Para começar, somos muito diferentes. Eles são a água e eu sou o vinho. Eles infernizam a minha vida e não aceitam nada como a gente queira. E estou cansada disso, o motivo por qual estou procurando emprego. Agora que terminou as provas e aulas, a minha sorte é que quase não tenho parado em casa porque tenho procurado emprego no Centro. A questão é : Tenho que me tornar financeiramente independente o quanto antes. Ficar em casa está me chateando e me deprimindo. Quero viver, dançar nas minhas pistas coloridas e ficar com os meus amigos. Chegar em casa tarde e não dar satisfação para ninguém. Para eles, aceitava uma boa, ficar de férias em casa sem grana, sem internet e sem tv a cabo. Só eu que tenho que me virar para poder ter acesso a tudo que gosto porque se dependesse deles, teria novela e ficar em casa o dia inteiro. Deus me livre!
Minha família curte não ter amigos, ver programas sensacionalistas e ver novelas chatas como " Viver a vida" todos os dias. Já eu não!
Amo ver fimes, dvds musicais e ir ao shopping beber meu café e ir na livraria, que é meu paraíso.Quero poder curtir tudo aquilo que tanto amo!
Já ouvi pessoas dizendo : " - Meu quarto é o meu mundo!". Sim, concerteza mas se eu podesse só iria para casa para almoçar, jantar e dormir. Podem pensar que não amo a minha família mas não é isso, a gente dá mais certo longe um do outro. Sinto falta e tudo mais. A outra coisa é que eles não entendem nada do que gosto. Quando estou ouvindo Pitty no quarto, mandam eu abaixar aquela porcaria. Quando estou lendo, dizem que só sei ler.
" - Como é que pode! Ficar o dia inteiro lendo." - eles dizem sempre.
Mas eles nem imaginam que o meu sonho é ser escritora. Acredito que eles não só não irão me apoiar, como não acreditam nem um pouco em mim. Para eles, tenho que ser uma advogada, corretora ou concursada de sucesso. Ou seja, não divido isso com eles. Mesmo porque além de nem saberem, uma vez minha tia que bisbilhotou umas coisas que escrevi disse que, se era eu que escrevia aquilo era muito ruim e não daria certo. Neguei obviamente e desde então minha vida passou a ser um inferno, mas passou. Consegui dar a volta por cima. Uma certa filósofa me disse que: " - Quanto mais te impedirem de escrever, é aí que se deve escrever". Para a minha família, se deixar de lavar uma louça ou varrer o chão, é porque não presto. Como se um caráter de uma pessoa fosse medido pelas coisas que ela faz! Tadinho do Garfield!
Por isso, que decidi mesmo sem grana, irei escrever sim um livro.Vou para as cafeterias da vida, sim, como J.K Rowlling. Nem me envergonho. Não, nem quero copiá-la. Ela só se tornou uma admiração e modelo de luta e perseverança. São só tempos difíceis mas tudo vai passar. Um novo ciclo se inicia. E a ovelha não é tão negra assim!
Faltam 5 dias para o meu aniverário e continuo procurando emprego. Quero muito fazer uma festa, será que rola?

3 comentários:

  1. Nem me fale dessa vida dependente.
    Inclusive, minha mae anda fazendo dramas porque eu so quero sair e que ela não vai aturar isso. Assim como a
    sua, por minha mae, eu só ficaria em casa sem grana e sem amigos ¬¬

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. adorei o texto e o blog! obrigada pelo comentário! te seguirei, ok?

    ResponderExcluir
  3. Poxa, todas as mães são iguais :] As coisas só vão melhorar pra ti quando tu arranjar um emprego, aí tua mãe vai te cobrar bem menos e tu não vai dever tanta satisfação à ela (mas ainda terá que continuar dizendo onde vai, porque, como...) é assim que acontece! Mas quanto menos tempo em casa, mais independência! Deve ser assim a tal regrinha da educação mãe/filha: cobrança exacerbada pro crescimento pessoal obrigatório ^^

    Essa foto é tua mesmo?

    ResponderExcluir