sábado, 25 de setembro de 2010

Que coisa engraçada é a vida




Eu me sinto mais velha, com uns quarenta anos. Isso não me assusta mais e me sinto completamente confortável nesta condição. Só agora percebi que se isso aconteceu, era para ser assim. Sou do tipo que não cre em predestinação, mas estava escrito que seria assim. A vida é uma história que a cada dia, ao acordamos escrevemos uma linha de uma página de um livro.
Por que velha? Em que sentido? Eu quis dizer que me sinto mais amadurecida e responsável pelos meus atos, minhas contas e tudo ao meu redor. Não é uma tarefa fácil e de início relutei muito em aceitar. É muito mais fácil quando nossos responsáveis fazem tudo pela gente.Só que chega uma hora em que temos de crescer, e nesta hora nossos pais não vão poder nos colocar no colo e nos tirar de perto do que nos causa horror.
Tudo mudou e custei a me acostumar. Queria ser como qualquer outro jovem da minha idade sem responsabilidade e com muito tempo para si próprio. Queria não trabalhar e não ter prazos,mas não sou mais uma criança. Agora sou adulta.
Minha família pela primeira vez em tanto tempo parace que me admira pela vida que levo: estudando e trabalhando feito uma louca, eu me sinto útil mesmo em um trabalho tão medíocre. Aprendo a cada dia que tudo tem o seu tempo e que o meu livro de rpg se encaixa nesta categoria. Todos os dias tenho a sensação de que tenho algo a aprender.
Ter este perfil de menina-mulher responsável é difícil. De início não quis adotar isto para mim. Só que como a personagem "Bella" de Crepúsculo que descobre que seu destino é ser uma vampira, aquela realidade sempre esteve ali na minha frente, a minha disposição.
E eu não mudaria nem uma vírgula do que fiz. Porque todas essas coisas me levaram para aonde estou: para o meu sonho.
Mesmo que tenho a sensação que sei muito pouco, estou muito feliz. Construindo meus tijolinhos e assim um dia poder viver o meu grande sonho que vai exigir mais e mais e vai me fazer sentir uma caloura, inexperiente e cheia de medos.
Mas isso é a vida: é nós sentirmos incomodados com situações novas e tristes por ter que se despedir de momentos ou lugares que foram tudo para nós.
Viver é despertar. Seja lá de um sonho bom ou ruim.

domingo, 19 de setembro de 2010

O tempo, meu inimigo

"Acordo cedo, com o pé no freio
e o mundo inteiro começa a girar.
Num banheiro, olho no espelho,
crio coragem e ponho pra andar.
Carteira, chave no bolso,
tá carregando meu celular.
Acredita, ninguém apita,
quem vai querer hoje me segurar.

É, eu tô na vida pra virar,
que a felicidade vem, eu tô sonhando mais além.
Não, nem vem aqui me atazanar,
se eu tô rindo é pra você olhar pro céu, meu bem, é.
Eu não fui feita pra fingir, eu tô ligada no amor que se tem pra viver.

[Eu vou, eu vou, eu vou,
com fé eu vou.
Isso aê, isso aê, isso aê,
com fé eu vou.]"


Alento - Luíza Maita


Nunca imaginei que minha vida ficaria desse jeito. Nunca imaginei realmente que fosse trabalhar e passar para a faculdade que tanto amo. Isso está me deixando a mil por hora. Por enquanto, tive que largar o livro que estava lendo e o livro que tentava escrever. Assim que der uma pausa, volto para lá.
Apesar de toda correria, apesar de longe dos amigos e dos palcos com gritos e guitarras, estou feliz. Eu sei que isso é só uma fase e vai passar.
Sei quantas noites irei chorar ainda mais de saudade, saudade daquilo que fui e do tempo que não dei valor.
Só que tudo ao redor: o telemarkenting, os professores bruxos e meus colegas de trabalho estão contando para a minha experiencia. Tudo vai passar.Descobri que o tempo é meu inimigo. Será que conseguimos voltar a ser o que éramos?

sábado, 18 de setembro de 2010

Caros Leitores

Quero pedir muitas desculpas a todos que leem e acompanham este blog. Não estou entrando com muita frequencia e postando muito menos. Sofro do que muitos chamam de "falta de tempo". Estudo e trabalho. Tenho vida ainda e muitos exercícios e livros para ler. Parei de escrever o livro de rpg que era meu projeto, só por enquanto para me dedicar aos estudos e provas que daqui a alguns dias irão vir. Tem muita coisa pela frente e não irei abandonar o blog. Ele é uma parte de mim. Só preciso reamurrar meu tempo e aí volto. Com força total.


" A arte é o melhor de todos os remédios".


Machado de Assis.


Por isso, caro leitores não me abandonem. Tem post amanhã, de verdade.

domingo, 12 de setembro de 2010





Minha madrinha um dia desses, chegou muito séria perto de mim e perguntou: " - Por quê você comprou a biografia da Amy Winehouse?"
Completamente espantada, ri na hora na sua cara porque entendi a sua "surpresa". Ela ficou meio confusa porque eu compraria a biografia de uma mulher que apesar de mito é totalmente perdida e está muito longe de ser exemplo para alguém.
Só que eu super inofensiva, sempre amei as pessoas que não eram certinhas. Apesar da pessoa ter uma atitude merda, achava pior ainda alguém se fingir de boazinha só para servir de exemplo.
Odiava a Sandy e outras cópias. Nada me tira da cabeça de que ela deixou de ser virgem bem cedo e que na realidade era uma garota revoltada. Toda aquela pose era puro markenting.
Sempre odiei essa atitude. Sempre fui a favor de " ser você mesmo". Mesmo que fosse um merda. Melhor ser verdadeiro e não iludir alguém do que se fingir e passar uma vida inteira sendo quem você é.
Ou seja, sempre amei pessoas maluquetes. Sou a favor de gay sair do armário. Sou a favor da felicidade não importa qual seja.
De modo que comprei a biografia que me foge o nome do autor, mas que acima de tudo escolhi porque sou muito fã dela. Não sei se já contei, mas quando era pequena meu pau me ensinou a ouvir Jazz, Blues e soul. A música dela me remete a todos aqueles momentos musicais maravilhosos que passei. Meu pai me deu uma educação musical muito boa.
Além do quê, a Senhora Winehouse tem um estilão roqueiro e meio retrô que amo. Ela está longe de ser perfeita. É claro que fico triste.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Processo de Criação.




Decidi neste post, falar sobre um assunto que é muito recorrente em blogs e muito debatido pelos intelectuais. O que ultimamente anda mexendo com a minha cabeça e tira o meu sono.
O processo de criação é a parte mais difícil e mais deliciosa de um romance. Escrever um livro não é nada fácil, temos que estar munidos de ideia e cheios de vapor. Sem lápis e papel na mão, a ideia escorre feito fumaça.
Inicialmente, temos que nos preocupar com o enredo, com o dilema que a protagonista se encontra e com o final que pode ser bem, mal ou sem pé nem cabeça dependendo do livro.
A segunda parte que temos que nos preocupar é com a idealização e construção dos personagens. Quem são eles, o que fazem, suas funções e quem são sua família caso seja importante para a história.
Depois disso, a parte mais importante e momento mais decisivo é aquele em que se constrói os dilemas e mostra as facetas do herói.
Foi aí então que larguei três ou quatro livros que parei de escrever. Sofro o que chamam de "Bloqueio criativo". Meu namorado costuma dizer que não consigo me focar em uma coisa só.
Estou tentando. O livro que estou escrevendo de rpg está assumindo um perfil um pouco feminino por causa da minha influência. Meu namorado constrói e adapta para a parte do rpg que desconheço completamente.
Por que topei escrever um livro de pg se não domino?
Porque achei que seria desafiador e estou amando. Os personagens(quem escreveu um livro sabe...) depois de um tempo, adquirem vida e saem por aí.O mais engraçado é que a única personagem feminina principal não fui eu quem criei. Mas sim meu namorado, que de acordo com ele, servi de inspiração para ela.
o bom é que om livro vai ter público feminino e masculino. Desejo também que seja uma obra popular. Mão na massa!

domingo, 5 de setembro de 2010

Cartas a alguém

Voltei a sorrir outra vez. O nome disso é amizade, que é libertadora. Não importa se faça chuva ou sol, na alegria ou na dor. Eles estão lá comigo. Me fazendo rir, me aconselhando e sempre me apoiando. São desses amigos que pretendo ter sempre ao meu lado. Não quero falsos sorrisos e cansei de tanta vacilação. A você, desejo felicidade, que seja feliz em seu mundo de máscaras e no qual vive fingindo ser o que não é.
Definitivamente cansei. Cansei de você. Cansei da sua amizade e agora quero ao meu lado, quem realmente possa corresponder as minhas necessidades.
Descobri coisas tão valiosas que não sentia há mais de dois anos. Me sinto como uma criança elétrica que vê algo pela primeira vez.
Eu te odiei por alguns minutos, mas a sua ausência me fez bem. Me fez sentir forte, caminhar e saber com quem posso contar. Aprendi tanta coisa que vou levar pelo resto da vida. Sem você.
Me sinto mais leve, bem que me avisaram. Mas tudo passa. E essa dor passou. Para mim, suas fotos não querem dizer nada. Deve ter percebido que até retirei do meu site pessoal? Mas faz parte. Você também fez comigo.
Agora pertence ao passado e quem ocupou o se lugar me faz muito bem. Melhor que você fazia.
Eu me sinto bem, leve. Nunca deixei de ser quem eu sou. Isso você nem sabe o que é.
Saia do pedestal, saia deste transe enquanto é tempo.
Mas da minha amizade você nunca mais vai ter.
Obrigada por deixar de existir. Agora tudo faz sentido outra vez.