sábado, 18 de junho de 2011

Eu + o outro

As pessoas nunca são completas. Sempre temos a sensação de que falta algo.
Muitas vezes essa lacuna pode ser preenchida com o que somos ou com o que queremos ser.
Não existe felicidade. A vida não é um mar de rosas e não existem pessoas perfeitas. Existem momentos felizes, isso é o máximo que podemos chegar perto.
Durante a aula de Teoria Literária II, a professora Flávia Tricoli destacou o fato de que às vezes o ser humano tenta ser o que o outro deseja que sejamos.
E eu sei bem o que é isso. Eu passei a vida inteira tentando ser o que a minha família queria, o que meus amigos desejavam e o que os meus exs sonhavam.
Até que um dia percebi que não poderia ser o que o outro queria.
Eu descobri que queria ser quem eu quisesse. Queria me bastar do jeito que eu era. Foi uma decisão tomada meio tarde, porém feita.
Não posso fazer nada se não agrado aos outros. Eu sou feliz dessa forma: eu sou aquariana, loirinha, olhos verdes, universitária de Letras da UFRJ, trabalho como operadora de telemarketing, amo literatura comercial, deixei de ser roqueira e virei uma patricinha de mão cheia.
E falamos na aula também que quando alguém quer tanto ser o que o outro quer – ao passar do limite- corre o risco de se tornar esquizofrênico.
Aquela eterna obsessão de ser o desejo do outro.
E eu prefiro ser do meu jeito: saudável e feliz. Como eu quero.


* Texto baseado no conto “A imitação da Rosa” de Clarice Lispector que pertence ao livro Laços de Família.

2 comentários:

  1. Muito fofo o texto!!! E concordo que existem "momentos felizes" e não a feliciadade, pois como vc cita não existem pessoas perfeitas . Adorei a postagem!!!!!

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. ai, que vontade de ler um livro.. hehehe
    só sei que vc tá certa! xD

    bjs

    ResponderExcluir