quarta-feira, 19 de outubro de 2011

A encantadora *


Há muito tempo em um reino muito distante, uma princesa era desejada por todos da corte. Ela além de linda, era bondosa e muito aplicada. Desde que nasceu era prometida há um príncipe que nunca tinha visto. O que ninguém esperava, era que a Princesa tão conhecida pelo seu comportamento submisso fosse muito contra isso. Podemos dizer, que ela era uma jovem um tanto moderna para a sua época, seus costumes e seu reino.
Um dia, um caçador chegou ao reino. Ele era diferente dos homens da região. Era um forasteiro, tinha olhos negros como os de um lobo, tinha um corpo musculoso e olhos que faziam queimar. Era selvagem, desencanado e charmoso. E a partir do momento em que pôs os pés no Reino, não tardou para que todas as mulheres ficassem de olho nele.
Todas queriam saber quem ele era, de onde veio e se estava comprometido com alguém. O tal caçador era um homem de poucas palavras, muitos olhares e bastante mistério. Não bastasse isso, poderia ser considerado um tanto "bad boy" para aquela época.
Passou - se um tempo, ele procurou trabalho e conheceu um ferreiro. Que lhe ofereceu emprego e estadia. Foram poucas palavras e ficaram amigos. O tal ferreiro era um homem de meia idade, casado e com filhos. Era o único para quem ele contou tudo sobre a sua vida.
Enquanto isso, a princesa estava um tanto entediada no Reino. Não havia muito coisa a se fazer, o tal príncipe vivia mandando cartas para ela. A princesa no entanto não sentia nada por ele e preferia estar na rua com a população que sempre tinha boas histórias para contar.
Ela não sabia exatamente o que se passava com ela, mas sentia falta de um romance que tirasse o seu fôlego e lhe deixasse nas alturas. Não precisava ser perfeito, bastava apenas ser completo.
Um dia, o caçador um tanto cansado de lhe empurrarem mulheres contou a sua história de amor para o seu amigo ferreiro. Ele havia se comprometido a uma mulher, que infelizmente havia partido e lhe deixado sozinho. Fora por isso, que ele foi embora do lugar que veio. Queria se afastar das memórias, já havia se passado tanto tempo e sofria muito com tudo que tinha se passado.
Então, um belo dia, uma feliz coincidência do destino fez com que eles - o caçador e o ferreiro - fossem realizar trabalhos para o rei em seu castelo. Ele pagaria bem e os rapazes estavam bastante empolgados.
Eles partiram bem cedo, fazia um dia bem bonito, com um pôr de sol incrível e a princesa desde que acordou, não conseguia parar quieta. As Governantas e as criadas estranhavam o seu jeito, mas cansada de perguntas, ela fora andar pelo jardim.
Era cerca do meia dia, e só restava o caçador e o ferreiro cuidando do jardim. A Princesa não sabia que havia homens trabalhando por lá e eles nem imaginavam que ela estava tão perto. Então o olhar da Princesa encontrou o do caçador, e o mundo não era o mesmo depois disso.
Amor, paixão, desejo, cobiça. Eram tantos sentimentos que os dois ficaram um tempo se encarando, até que foram interrompidos pelo Ferreiro.
- O que é homem, o que se passa contigo?
Ele se virou, viu a princesa e ficou um tanto intrigado com aquela cena:
- Bom dia Princesa!
- Bom dia! - e rapidamente, ela partiu completamente perdida e um tanto confusa.
Eles foram embora, mas o caçador mal ouvia o que o ferreiro dizia. A princesa em seus aposentos não conseguia se esquecer daquele olhar tão intrigante que tomou conta de suas visões.
- Está tudo bem princesa? está um tanto quieta!
- Estou ótima Julieta. - ela respondeu a criada.
Ela encostou na janela e imaginou quem seria ele, de onde viria e se era casado ou não. Ela já tinha conhecido muitos príncipes, mas nenhum homem como aquele.
Na primeira noite, a princesa e o caçador não conseguiam dormir direito e comer. Tão anciosos e mordidos pelo bicho do amor.
Então, algumas semanas depois, eles tiveram que voltar para fazer o serviço. O sorriso estava estampado no rosto do lindo caçador.
A princesa ouviu dizer que ele retornaria, colocou o seu melhor vestido e correu para fora.
E assim que se viram, queriam esconder a felicidade de um do outro, mas já era impossível evitar, pois o coração de ambos parecia se romper.
De início não se falaram, eles se encaravam muito. Ela não entendia aquele modo dele de ser. Tão bruto, tão selvagem. tão obscuro, tão sombrio. E ele não consegia entender como uma princesa tão refinada, tão requisitada e linda havia visto nele, mas a atração era inevitável.
Eles não conseguiram acabar o trabalho no jardim e teriam que retornar depois. Um dia, o ferreiro não pode ir, ele foi só e espiou a princesa no jardim. Eles ficavam se encarando um tempo. A princesa parecia gostar e ficava um tanto receosa.
- O que você tem caçador?
- Por que princesa?
- Não consigo tirar os olhos de você desde que vi. Já conheci tantos homens, mas nenhum como você.
- E eu não consigo parar de pensar em você. - Ele se aproximou dela e disse - Tens os olhos mais lindos que já vi, estou rendido a você.
Ela sorriu, de um jeito tão carinhoso e irresistível que o caçador não resistiu e beijou a princesa. Ela sem ligar para os outros, retribuíu. Seu coração irradiou, queimou, brilhou. Não havia sentido nada assim antes, apesar de ser um tanto moderna.
Depois de alguns dias, eles continuavam a se encontrar. Para todo mundo de fora, eles não se conheciam. Mas para quem notasse os olhares que rolavam de um para o outro, diria que havia muito mais em jogo.
Então um dia, a Princesa ficou sabendo que o príncipe chegaria para anunciar o maldito casamento. Sem pensar duas vezes, ela ofereceu ao caçador uma fuga para bem longe, pois o romance entre eles nunca seria aceito pelo seus pais e a corte.
Uma madrugada antes, ela escreveu uma carta e arrumou suas coisas. No dia seguinte, ela fugiu com o caçador e se entregou ao amor sem pensar duas vezes. E os dois foram felizes para sempre.

* O título foi inspirado em uma personagem do livro "O herdeiro guerreiro" que conta a história de um mundo mágico dividido por ordens que são dominadas por leis assinadas por Magos. Entre os outros povos mágicos se destacam os guerreiros e encantadores. Estes últimos são caracterizados por serem dotados de uma beleza esplêndida e possuírem uma presença forte capaz de hipnotizar. Sendo eles, os meus preferidos, que mais me identifico e para quem fiz esta pequena homenagem. Este conto também foi inspirado no livro "Sussurro" de Becca Fitzpatric, um dos meus livros preferidos.


Para ler ouvindo:

iConcerts - Pixies - Where Is My Mind (live)

7 comentários:

  1. que lindo, gostei demais do desenvolver do conto.

    =)

    ResponderExcluir
  2. ah, contos, acho eles um encanto :) e o seu está bem gostoso de ler. escreva mais e mostre p/ gente, tá? ;D

    quando o amor é forte, não há quem o segure.

    (ah, eu também tenho 6 anos de namoro! ^^)

    ResponderExcluir
  3. aHH, quero ler esse livro que você comentou, de magia e talz... adoro histórias assim.. por isso adorei o seu conto!!!

    bjusss

    ResponderExcluir
  4. Essa princesa é das minhas : não curto príncipes engomadinhos.

    Adorei!

    Beijos, flor.

    ResponderExcluir
  5. Como disse Caio F. :
    "Não, ela não era tola. Mas como quem não desiste de anjos, fadas,
    cegonhas com bebês, ilhas gregas e happy ends cinderelescos, ela queria
    acreditar. "

    E dessas perfeições suas eu só leio aqui!

    BEIJO!

    ResponderExcluir
  6. Texto bonito . Vejo muito essas estórias de Amor por aqui , tão bem desenvolvidas e tão cativantes . Acho que esse é um sonho seu , não é , minha querida linda ? Encontrar um rapaz tão encantador quando o caçador que a princesa encontrou ?
    Enfim , gostei (:

    ResponderExcluir