segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

"A escuridão dos sonhos" - Parte II do O Desafio


Anne acordou. Teve a sensação de ter tido um sonho estranho.
- Que bizarro! Até parecia verdade - ela disse abrindo os olhos. Se sentia cansada e fez seu ritual comum como os de todas as manhãs. Se levantou e foi até o banheiro. Se olhou no espelho e gritou.
- Meu deus, não é possível. Não é mesmo! - disse nervosa.
Se olhou e constatou que ainda estava com o vestido emprestado de Nancy e a maquiagem. Então a noite passada não tinha sido apenas um sonho.
Imediatamente, ela ligou para Nancy:
- Nancy?
- Até que enfim! Pode me explicar, por que não honrou seu juramento? Agora vai ter que fazer todas as minhas provas até o fim do ano. Tô com mais raiva de você, porque fui até aí e você não me esperou.
Anne mal conseguia respirar, suas mãos tremiam e tinha medo de contar a amiga.
- Espere aí, eu fiquei te esperando até tarde e você não apareceu. O que aconteceu? Você pode me explicar?
- Eu falei! Te mandei uma mensagem. Você recebeu né? Então, tive que enrolar meus coroas que queriam tirar o atraso deles como pais ontem à noite. Cheguei atrasada e você não estava me esperando. Como eu já esperava, a mocinha estava no décimo sono.
Ela nem ligava que Nancy tirasse uma, ou várias com a cara dela. Só queria saber se a amiga notou alguma coisa diferente ou estranho igual ao que ela viu.
- Que horas você veio?
- Quase uma hora - ela riu. - Eu já sabia que isso ia acontecer.
Anne encarava incrédula o telefone.
- Será que fiquei maluca? - ela se perguntou.
- Então, pronta? Não se esqueça temos uma provinha hoje.
- Tudo bem, vou me arrumar.
- Se arrumar? Anne Jonnes, o que diabos está acontecendo com a senhorita? Faltam meia hora para estarmos linda e bela na aula, estou indo já pra aí.
- Okay, vou me arrumar rápido. - desligou na cara da amiga e correu em disparada para o banho.
Ela colocou um jeans folgado e penteou os cabelos. Não era o seu melhor dia. Seus pais já tinham ido trabalhar, ela pegou uma torrada e comeu a caminho da escola.
- Até que enfim a senhorita chegou, vamos chegar atrasada para a aula - Nancy falou.
- Todo mundo tem um dia ruim, Nancy. - ela comentou ao chegar no ponto de encontro de sempre entre ela e a amiga.
- Aconteceu algo, quer desabafar?
Por alguns minutos, pensou em dizer. Por fim decidiu que não.

- Estou com sono, é só isso.

Naquele dia não estudou, não arrumou a casa. Ficou o dia inteiro na internet procurando algo que pudesse saciar as perguntas dentro da sua cabeça. Por fim achou que estivesse ficando maluca. Começou a escurecer e ficou com medo.
Ouviu um barulho na porta, mas eram só os seus pais chegando do trabalho:

- Boa noite querida filha.
- Boa noite mãe.
- E então filha, como seu dia?
- Ótimo pai. – torceu para ele não desvendar seu sorriso amarelo.

Eles jantaram juntos e nada aconteceu. Seus pais estavam tranquilos e não pareciam ter presenciado nada.

- Então não foram eles que me buscaram lá fora.

Ela sentiu medo e não sabia se chorava ou ria por isso. Se ela contasse algo a eles, concerteza tomaria uma dura daquelas.

Decidiu dormir. Se sentia cansada e caiu no sono muito rápido. E assim que fechou os olhos, foi tomada por uma escuridão.

Anne estava andando na floresta ao lado da sua casa. Ela parecia ter saído da cama no meio da noite, usava suas roupas de dormir. Estava descalça e seus pés tocavam o chão. Era noite e só se ouvia barulhos de animais. Muitos uivos e seu coração disparou.

De novo

Ouviu passos, esmagar das folhas, uma ventania forte. Se virou e então o viu caminhando em sua frente.

Era um homem. Ele não era muito alto e usava roupas escuras. Devia ser só alguns anos mais velho que ela. Não se podia ver o rosto dele, mas ele estava com um sobretudo que impedia de analisá-lo.

Ele olhou para ela e então Anne pode ver os olhos mais escuros que já viu na vida.

Então ela acordou. Seu relógio começou a apitar. Era duas da madrugada. Se sentou na cama, suada e com medo. Ela ficou assim o resto da noite, acordada sem entender. E assim este mesmo sonho se repetiu durante sete noites.
Seus amigos começaram a notar as olheiras e o modo como Anne se comportava. Diziam que algo parecia ter tirado a energia dela.

Um dia, sem ter mais o que argumentar, contou uma parte do segredo a Nancy, quando ela perguntou o que estava acontecendo.

- Estou tendo pesadelos e eles têm tirado o meu sono.

- Vou falar com a minha mãe. Ela conhece um chá tiro e queda que pode resolver isso.

A mãe de Nancy conhecia todas as ervas e receitas para curar todos os males que se possa imaginar.

- Obrigada amiga.

Durantes esses dias, Anne pesquisava na internet e nada. Nenhuma informação, afinal ela nem sabia ao menos o que procurar. Ficava acordada, sentada em sua janela olhando a noite. Não foi mais perturbada por nenhum barulho, mas em compensação em seus sonhos...

O homem dos olhos negros vinha lhe visitar todo dia. Ele lhe dava medo e no sonho da sétima noite, ele partiu pra cima dela. Ela gritou e acordou.

No dia seguinte no café da manhã, sua mãe lhe falou:

- Minha filha, você está tão abatida!

- São as provas mãe que me deixam assim. – ela contou.

- Minha filha, fique tranquila! É inteligente e conseguirá passar – comentou seu pai.

Ela foi para a escola e tratou de passar maquiagem para esconder o aspecto vampiresco que se encontrava. Era um dia de sol, perfeito para um piquenique.

- Quer saber? Danem-se provas, danem-se esses sonhos malditos! Eu preciso é de uma farra com os meus amigos.

Encontrou a amiga, que notou logo o seu ar mais alegre.

- Ah, essa é a minha Anne. – ela comemorou.

- Hoje a noite é nossa então? – falou Anne depois das duas marcarem uma saída entre amigos.

- Mas é claro – comentou Nancy – Com direito a saídas com os amigos. – elas riram.

Quando chegaram ao colégio levaram um susto. Ele parecia ter sido tomado pelo caos. As garotas estavam ofegantes e muito animadas.

- O que houve? Quantas mulheres animadas! Que diabos está acontecendo!!!

- M-E-N-I-N-A-S, vocês não tem ideia do que aconteceu! – comentou Mel, a amiga mais popular que elas tinham naquele colégio.

- Chegou um aluno novo!

- Idaí? Por isso estão todas fazendo esse alarde? – Nancy, a outsider perguntou.

- Mas não é um garoto qualquer. – os olhos de Mel estavam maliciosos.

Um grupinho de garotas abriu espaço de boca aberta. Anne, Nancy e Mel olharam para ver o que era.

Ele caminhou na frente de todas sem se importar com o olhar. Ele parecia nem perceber. Estava de cabeça baixa e usava roupas pretas. Levantou a cabeça e seu olhar caiu em direção a Anne.

- Não, não pode ser meu deus!

Era ele. O homem dos olhos negros dos seus sonhos.





Inspiração: http://www.youtube.com/watch?v=gFp7q-IJqno&ob=av2e

e http://www.youtube.com/watch?v=wPBbMbKSZrQ&ob=av2e

17 comentários:

  1. aaah, e eu estou desenhando a estória em minha cabeça :) estou gostando mesmo, juli! não demore para postar o restante, tá? ;D

    beijinho

    ResponderExcluir
  2. Uau! Quero maaais :)
    Estarei aguardando. beijo

    ResponderExcluir
  3. Ola, desculpa a invasão, acho que apanhei a tua historia a meio, mas tenho a dizer que está (pelo menos esta ultima parte) interessante, quando tiver oportunidade vou ler desde o inicio.

    Parabéns e continua pois espero pela próxima parte =)

    ResponderExcluir
  4. Muito bom! Consigo imaginar tudo, de verdade! Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. uhuuul, estou esperando continuação hien? vai rolar romance!kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  6. Tenha um Feliz Natal e um Ano Novo, repleto de alegrias e conquistas.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  7. Ui, um sonho premonitório, Ju! Adoro essas coisas!

    =D

    Quero mais, sou gulosa por bons contos!

    Beijo, flor.

    ResponderExcluir
  8. Estou acompanhando a história, está prendendo bem a atenção até aqui. Tomara que não vire nada estilo Crepúsculo... :D

    Também estou publicando um conto em capítulos no meu blog (inclusive tem post novo hoje), se possível por favor leia e dê sua opinião:
    http://reflexoesdo719r.blogspot.com


    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Juliana!!!

    caraca a quanto tempo...

    Olha... agora fiquei confusa.

    Como você assinava antes?
    Só Juliana ou Juliana Oliveira???

    : )

    ResponderExcluir
  10. que delíciaa... tva comfalta de ler histórias assim, gosto tanto.. xD

    bjussss

    ResponderExcluir
  11. - Faço votos para que todos se deixem influenciar por esta época Natalícia e possam olhar para o mundo de uma forma mais ternurosa e misericordiosa. Que todos os corações possam bater ao compasso do amor. Feliz Natal e um Ano Novo repleto de saúde e felicidade!

    http://3.bp.blogspot.com/_8Oz9ZAawUTM/TRdv7ZJ4j7I/AAAAAAAAEDY/0-zsE0TynA8/s1600/tumblr_kv7v8xPZDn1qzzefvo1_500_large.jpg

    Abraço! (:

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde.
    Desculpa o incomodo, mas venho hoje pedir que olhe com carinho meu blog de resenhas literárias, o O Leitor.
    Se puder fazer parte, agradecemos.

    Obrigada e uma ótima segunda-feira. Beijos,

    Pamela.

    ResponderExcluir
  13. Vivi seus escritos como se estivesse lá. CONTA MAIS, moça!
    Beijo

    ResponderExcluir
  14. Juuu, você escreve muito bem! To adorando!

    ResponderExcluir
  15. Juliana, devo lhe dizer que teu conto, pois tomo-o como tal, afinal tem as características, está bem escrito. Faça experiências, dê liberdade para que seu pensamento tome rumos absurdos e fantásticos. Ainda me parece uma história confinada dos atuais romances infanto-juvenis como a saga Crepúsculo, Diário de Vampiro, dois dos mais conhecidos. Quando digo para que tome rumos absurdos e fantásticos quero dizer – confronte a sua contemporaneidade, critique os modelos atuais de literatura, escreva para transcender esse período atual, mas na medida em que de tu escreves para esse tempo sobre aquilo que dele já está por germinar (os frutos hão de se alargar nos campos do futuro). Dos escritores clássicos não é comum ser dito que eles foram proféticos? Isso acontece porque a sensibilidade ardente destes homens apreendeu movimentos sutis e internos que fremiam tímidos na sociedade e nos homens. Deixe que tua sensibilidade de alargue nos caminhos ainda inexplorados na literatura.

    Abraço

    ResponderExcluir