quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

A Bela e a fera


Porém ela o aconselhou a não se deixar enganar pelas aparências pois a beleza está no interior das pessoas’
(A Bela e a Fera, EUA, 1991)


"Lá estava eu, novamente. Já fazia tanto tempo que não via seu rosto e não fazia ideia de como estava. Te reconheci pelo olhos, os mais brilhantes que já vi. Eu não os tinha esquecido.
Eu imaginei esta cena mil vezes na minha cabeça. A verdade é que eu não sabia como deveria me comportar. A última vez em que nos vimos ... foi tão triste.
Tão novos e arrasados com o coração ferido. A verdade é que meu coração estava acelerado e torcia para que ele se sentisse assim.
Ao me ver, ele estendeu o copo e deu um sorriso. Parecia estar feliz, mas ao mesmo tempo triste. Eu não soube entender. Ele continuava o mesmo, o que me faz sentir mais saudades.
- Olá Júlia!
- Olá Patrick!
Tentei manter minha voz firme. Nenhum detalhe do seu rosto escapou de mim. No momento em que abri a boca para falar com ele, senti aquela dor no peito, que não me abandona nunca. Aquela dor que vem me visitar para me avisar que nunca mais irei funcionar direito. Eu estava com defeito e daqueles, irreversíveis.
Queria passar a minha mão pelo seu rosto como sempre fazia, mas não fiz. As circunstâncias agora eram outras. Estendi minha mão e ele apertou de um jeito que não queria sentir.
- Como você está? - ele parecia mais animado. - Já faz tanto tempo! - ele pareceu triste.
E eu também.
Fazia seis meses que cheguei na casa dele eufórica cheia de saudades. Patrick havia voltado de uma viagem a trabalho, mas o meu Patrick não estava lá. O que voltou era outro e este me tirou da sua vida.
- Ótima, e você como estão as coisas? Passou tão rápido!
Mentira. Minha vida tinha passado muito devagar nos últimos meses. Como eu poderia me despedir de um amor tão grande que era maior que eu?
Olhei para ele do mesmo jeito que antes, era inevitável. Ele me olhava diferente, mas isso não significava que fosse ruim. Era como se ele estivesse me avaliando, tentando decifrar cada coisa que eu fazia.
Dessa vez seria forte. Agiria formalmente e não deixaria cair a minha guarda.
- Estou bem, trabalhando muito. Como estão seus pais? Já faz um tempo que não os vejo. Sua mãe conseguiu convencer seu pai de vender aquele carro velho?
Nós dois rimos. Meus pais eram as maiores figuras e eles se davam muito bem com Patrick e lamentaram muito quando tudo isso aconteceu. Meu pai tinha um carro velho que não funcionava mais, só que ele guardava como recordação. Minha mãe queria que ele vendesse e pedia ajuda de todos para conseguir isso.
No último mês, com muito custo, ele vendeu e comprou outro. Apenas porque estava tomando espaço.
- Ah sim, ela conseguiu. Meu pai não ficou muito feliz com isso, mas ele viu que estávamos sem espaço em casa.
Nós dois rimos e nossos olhos se encontraram. Por um minuto, parecia que não tinha passado todo aquele tempo. Parecíamos estar em câmera lenta, senti que todos nos observavam na festa.
Mas naquele momento, eu não liguei. O meu Patrick estava ali, segurando a minha mão. Não podia deixar isso acontecer, mas era difícil resistir. Eu precisava daquilo e lá estava ele me fazendo relembrar de cada detalhe que partia meu coração a cada segundo.
- Eu sinto muito.
Ele me olhou de um jeito triste, me controlei para não estragar a maquiagem. Nunca me esqueceria de como tudo aconteceu. Há sete meses, Patrick teve que viajar a trabalho. Ele era formando em Geografia e trabalhava como pesquisador. Prometi esperá-lo. Seria apenas um mês, passaria rápido. Só que não passou e quando ele voltou, já não era mais o meu Patrick. Era outro cara que terminou comigo depois de tanto tempo juntos.
Eu estava sozinha, fui abandonada. Tinha todos os motivos do mundo para odiá-lo, mas não fiz. Só o que eu sentia era saudade e olhar dentro de seus olhos, foi como enfiar uma faca em meu coração.
- Não sei porque teve de ir ...
Ele abaixou a cabeça, podia ver o quanto estava triste. Tirei minha mão da dele e disse:
- As coisas mudam, eu já entendi. Espero que seja feliz Bauer. - Bauer era o último sobrenome dele e era sim que o chamava quando estava com raiva.
Se ele não fizesse isso, era melhor eu fazer. Ficar ali estava me fazendo ficar pior.
Sai de perto dele e fui até a sacada. Precisava de ar, não imaginava que vê-lo me faria ficar tão mal.
- Espere Juliaa...
Ele não iria desistir tão fácil assim.
- O que você quer?
Agora estávamos longe do salão e não havia ninguém mais por ali. Apenas nós naquela escuridão sinistra.
- O que é? o que você quer?
- Quero te pedir desculpas. Não queria te fazer sofrer, mas fiz o que era melhor para nós dois.
- E por que ainda está aqui? Por que não foi embora e sumiu da minha vida de vez? Tem noção do quanto é difícil viver para mim com as suas lembranças? É torturador, não posso mais viver assim.
- Me perdoa - seus olhos pareciam verdadeiros. - Nunca quis machucá-la, mas sei que fiz isso. Você é muito importante para mim, não posso te ver mal.
Ele pôs a mão em cima da minha, o que não melhorou muito e então eu disse:
- Agora é tarde, já foi feito. Agora que estou me remendando, você volta para me atormentar. Por quê? Como fez aquilo comigo? Por quê foi embora da minha vida daquele jeito? O que eu fiz com você? Eu te esperei.
Eram muitas perguntas e ele encarou apenas o chão.
- Você não é quem eu pensei que fosse.
Segui em direção a porta e ele me puxou.
- Você não vai entender Julia. Isso é muito maior do que nós dois. Eu só quis salvar a sua vida te afastando de mim.
- Como?
- Sabia que não era mais seguro se você estivesse ao seu lado. Eu te amo e precisava te ver bem.
- Do que está falando Patrick?
- Não sou quem você pensa que eu sou.
Fiquei sem entender, confusa era pouca para dizer.
- Pode me explicar o que está dizendo?
- Eu sou um monstro - sua voz ficou embargada - e não pode ficar ao meu lado. O melhor que tem a fazer é fugir de mim.
- Patrick, o que você está querendo dizer ...
- Mudou muita coisa desde aquela viagem, mas o meu amor por você não. Eu continuo te amando, ainda mais.
Ouvir aquilo era tudo que mais queria na minha vida.
- Não entendo, você me ama, mas me deixou.
- Fiz o melhor para você, um dia vai entender. - Dito isso, ele se jogou da sacada e eu gritei e corri. Ele estava caindo e não podia fazer nada. Até que ele se transformou em um lobo grande e preto. Perdi a força nas minhas pernas, estava despencando, mas alguém me segurou.
Várias pessoas vieram ver o que estava acontecendo. Eu me desvencilhei de todas e desci correndo até onde ele caíra.
Lá fora estava muito escuro, mas mesmo assim continuei a andar. Precisava encontrá-lo. Até que esbarrei em algo e me virei.
Um grande lobo preto me encarava. Poderia sentir medo, mas algo me fez sentir compaixão.
Seus olhos eram brilhantes, o mesmo que o meu Patrick.
- Patrick!
Avancei e ele se afastou de mim. Ignorando seu movimento, fui até ele sem medo e o acariciei. Podia ter muitas perguntas para fazer, mas as deixei de lado, aquele era meu Patrick. Quem eu esperei por tanto tempo.
Ele se deixou levar e deixou fazer carinho nele.
- Não fuja mais de mim Patrick, estou aqui e não vou embora sem você.
Uma lágrima saltou do seu rosto e ele se transformou em homem na minha frente. Era coisa de outro mundo. Ele me encarou, seus olhos tão duros.
- Agora entende o que quis dizer? Agora sabe porque fugi.
- O que houve? - entrelacei sua mão na minha.
- Naquela viagem em que fiz, teve uma noite em que tive que pesquisar em campo. Estava sozinho e acostumado, não sentia medo. Até que um homem se aproximou de mim. Eu tive medo, não havia mais ninguém por lá. De qualquer forma, tentei ser cortês - ele estava distante - Ele falou muito sobre o lugar e quando menos esperava, ele se transformou em lobo e me mordeu.
- Por quê não me contou?
- Porque eu tive medo. Medo de você não acreditar, medo de te perder.
- Você só não me perdeu, porque eu não desisti de você. Poderia ter me contado, teria evitado tanta coisa.
- Eu te amo e é muito perigoso ficar ao meu lado. - ele se afastou.
- Não me importa. É você quem eu amo, quem eu sempre amei e ficarei do seu lado. Não tente mais fugir de mim, vou atrás de você, não importa onde seja. - me aproximei dele e fiquei muito próximo da sua boca. Sentia tanta falta de estar tão perto dele.
- Não diga isso!
- Digo!
- Quando eu me transformo, posso machucar você! Sou um monstro ...
- É o meu monstrinho e confio em você. Sei que não vai me machucar mais e já que você não quer mais fazer isso, deixa eu ficar perto de você. Não se afaste de mim, nunca mais. - as lágrimas desciam com uma velocidade absurda, esperei tanto para dizer aquilo.
- Não tem medo de mim?
- Não.
- Só que por ser lobo, sou imortal...
Ele me encarou e tive uma ideia brilhante.
- Então me morda e serei imortal como você!
- Não - ele gritou - Isso é um absurdo. Para se acostumar, é algo muito perigoso.
- Vamos ser imortais juntos, seremos felizes.
- NÃO - Ele esbravejou.
- Sim, por favor?
Eu estava colada nele e ele me encarava. Sabia que nem ele e nem eu aguentaríamos mais. Ele então se aproximou e me beijou. Era tudo o que eu queria.
- Se eu te morder, você será minha - ele parecia descontraído.
- É tudo o que eu sempre quis.
Ele me puxou e me levou para a escuridão. Eu sorri para ele que me retribuiu de volta. Estavamos caminhando para a nossa felicidade, a nossa imortalidade.
Seremos felizes, para sempre."

21 comentários:

  1. Ai, adorei! Sempre surpreendendo, né?
    Beijoo

    ResponderExcluir
  2. Foi inevitável lembrar de Rita Lee, "Cor de rosa choque":
    "Nas duas faces de Eva
    A bela e a fera
    Um certo sorriso
    De quem nada quer...

    Sexo frágil
    Não foge à luta
    E nem só de cama
    Vive a mulher..."

    Beijos e continue escrevendo aqui, mais e mais :)

    ResponderExcluir
  3. Imagina se isso acontece mesmo? Não n saberia o que fazer não viu... ficar com o grande amor da sua vida mas abrir mão dos seus outros amores, como família e sonhos...
    gostei mt! bjusss

    ResponderExcluir
  4. Oh!!! Amiga!!

    ADOREI!!!!

    A descrição dos sentimentos ficaram perfeitas!

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Oh!!! Amiga!!

    ADOREI!!!!

    A descrição dos sentimentos ficaram perfeitas!

    bjs

    ResponderExcluir
  6. Nossa, faz tempo que não leio uma história bonita com final feliz, indo para a felicidade assim que eu devia estar agora.

    Beijo querida, na testa.

    ResponderExcluir
  7. Interessante. Enxerguei todos esses romances vampirescos que estão por aí em seu texto.
    Gostei do jeito que vocês desenvolveu a história.

    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Olá Ju! Quanto tempo que não apareço por aqui, né? Mas saiba que visito teu cantinho periodicamente e leio pra ficar a par de tudo.
    Assim como fiz com essa linda postagem :)
    E que lindo texto! Me fascina a cadência das palavras e o desenrolar dos sentimentos. Muito belo!
    Bom, tem postagem nova lá no meu cantinho e nela eu explico o porquê de tantas ausências. Na verdade é um pedido de desculpas.
    Espero que goste!

    Beijos, continue assim, ok? :)

    ResponderExcluir
  9. Nossa amei!!
    Muito lindo isso.. :D
    Beeijos

    ResponderExcluir
  10. Opa , acho que alguém aqui estava lendo Crepúsculo ! rs'
    Seu jeito romântico é encantador , sabia ? *-*
    Que bom que você também curte Red Hot ! Meu ano de 2011 pode ser resumido em músicas deles e do Avenged Sevenfold .
    Olha , sobre a estória que prometi enviar pra você por e-mail , ela está passando por uma reforma geral , por isso não te mandei nada . Você sabe , eu não paro quieta . e também , como é uma saga , e não uma estória simples como a que postei no blog no fim do ano , fica difícil dizer alguma coisa com exatidão .
    Enfim , como anda o site Novos Escritores ? Estou ansiosa por fazer parte da turma . e morrendo de curiosidade acerca do sue livro ! kk O meu fala de Amor , mas com um "tempero" bem exótico : tem assassinato , investigação , disfarces, máfia , traição , tiro e pancadaria . Enfim , acho que eu estou vendo muitos filmes de ação ultimamente rs .
    Adoro você , e aguardo o fim do teu conto ! Beijos ;*

    ResponderExcluir
  11. Se eu fosse o Patrick já tinha mordido a Júlia no primeiro dia! Nunca entendi esse pudor dos vampiros e lobisomens em transformar suas amadas em imortais! ahuauhauh

    Bom tetxo Juliana.

    Acabei de publicar a última parte do meu conto, aguardo a sua opinião:
    http://reflexoesdo719r.blogspot.com

    (Se gostar entra como leitora! :D)


    Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Oi querida, vim te desejar uma bela semana.

    Beijo menina bonita

    ResponderExcluir
  13. Adorei cada palavra escrita, de verdade! Sempre surpreendendo, isso é muito bom! Pois bem, querida. Fiquei um bom tempo fora, com o blog totalmente desativado, mas voltei e voltei pra ficar. Te espero por lá! Adorava receber suas visitinhas e seus comentários! :) Beijinhos

    ResponderExcluir
  14. é, concordo com a vanessa, surpreendentemente lindo o que escreveu...bjs

    ResponderExcluir
  15. Menina, que conto é esse? *-* Perfeito, você sempre surpreendendo com tanto talento, tanta emoção que desperta em quem te lê. Adorei, adorei mesmo, e adoro também o carinho que sempre deixa nos comentários no meu blog, fico tão feliz toda vez que leio!
    Um beijo, flor, e fica com Deus sempre!
    Que sempre haja em ti inspiração para nos dar o prazer de ler seus textos!

    ResponderExcluir
  16. Lindo o seu blog, não só no visual como nas postagens.;D

    Beijos, Fernanda

    ResponderExcluir
  17. *.* Como diria Caio happy ends cinderelescos!WOW!

    ResponderExcluir