quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Feito pássaros






Eu sempre sonhei em viver de arte. Se tem uma coisa que sempre me instigou, que fazia meus pés levitarem, eram os livros. Então, quando tivemos a ideia para o projeto "Novos Escritores", descobrimos que tínhamos uma missão.
Todo mundo sabe que eu escrevo e sempre me vi cercada por papel e caneta. Me angustiava não ver os escritores nacionais atuais sendo lidos por aí. Quem diria que ao entrar na Bienal do Rio de Janeiro de 2011, com um ideia na cabeça e amor pelos livros no coração, tanta coisa iria mudar. Naquele dia, conheci um escrito nacional atual. Eu, amante dos livros, não conhecia nenhum nome ou editora. Era um bebê engatinhando, meu namorado e também criador do projeto ao meu lado mais ainda.
Depois daquele dia, um novo mundo se abriu para a gente e com cara e coragem, batalhamos pelas redes sociais e convidando de um em um para conhecer e participar do projeto. Completamos nove meses de projeto, quase cinco meses com o site no ar. Ainda não temos as respostas para todas as perguntas, mas frequentamos muitos eventos, conhecemos autores incríveis e editoras muito boas. E é muito bom saber que o mercado literário nacional é rico e está em crescimento. Quem pensa que não existe autores nacionais, está completamente enganado.
Nossos autores estão por aí, para abalar as estruturas e mostrar o quanto são talentosos e que podem marcar a vida de vocês com belas viagens!
No sábado, dia 29/09/2012, a equipe Novos Escritores foi convidada a se apresentar em mais uma edição do "Identidade Cultural & Movimento Culturista" organizado pela escritora Janaína da Cunha (neta do escritor Euclides da Cunha) no Café do Bom e Cachaça da boa, na Carioca (RJ). Esta edição tem como objetivo promover a cultura nacional com microfone aberto, no mesmo estilo da semana moderna de 22. Eu já tinha ido na edição anterior e foi um grande prazer retornar para um lugar que nos recebeu tão bem.
Além do nervosismo habitual, já que não sou muito fã de aparecer e falar em público, - Quem acompanha os Novos Escritores, sabe que sou eu quem faz as entrevistas que estão no ar e em breve, vou postar aqui para vocês verem - fui com a cara e a coragem com o coração a mil. Acabou que o nervosismo ficou para trás, já que são tantas vezes falando do projeto, que tudo acaba fluindo naturalmente. O universo conspira a favor. Depois de apresentar o projeto, fiquei imensamente feliz com a reação e os votos de sucesso. É muito bom sentir a reciprocidade e boas vibrações de colegas que assim como eu, vivem disso, vivem de arte.
E este evento, teve um marco muito especial para mim. Este dia foi mágico. Todas as apresentações, regadas a poesia e muita música me arrepiaram e me deram um injeção de ânimo. Desde a "Uma longa viagem de Jim (Morrison, sem gelo, por favor!) a uma poeta de apenas 16 anos que declama como uma escritora célebre. É tão bonito ver pessoas como você, fazerem arte por prazer, escreverem porque precisam e não só porque tal história dá grana ou tal assunto é sucesso na certa. Eu tenho muita dificuldade em colocar arte e dinheiro na mesma frase. Como a minha grande amiga Dilly disse, deveria ser proibido se viver de arte. Já que algumas pessoas perdem a simplicidade e a magia que rodeia as poesias, livros e quadros por aí fora. Deus me livre disso e me deixe abençoada com o dom que me presenteou no momento em que vim ao mundo!
Eu escrevo porque preciso, porque me dá prazer e não vejo fazendo nada diferente em minha vida. Quero contar aos meus netos e filhos, tudo que pude viver e presenciar. Fico imaginando meus netos no futuro, olhando as fotos dos eventos e pensando:
- Caramba! Vovó, foi uma artista! Ela mudou o País!
Só de pensar, isso me arrepia. Porque sim, eu quero fazer a diferença e se meus netos algum dia disserem isso, vou me sentir feliz, pois cumpri meu dever. Essas coisas me fazem lembrar a semana de 22 e o quanto isso mudou o país em que vivo. Mas é isso que eu quero. Eu quero mais livros nacionais, mais o Brasil nos livros. Eu quero que os livros nacionais sejam lidos e disso eu não desisto, irei até o fim!



Da esquerda para a direita: Djan Skwara (meu marido e fundador dos Novos Escritores junto comigo), Bob Lester que para quem não sabe, é o único integrante vivo da banda de Carmem Miranda e eu, Juliana Skwara. É uma grande honra para os Novos Escritores prestigiar Bob Lester aos 100 anos cantando e dançando tão cheio de vida! Bob, Continue assim, incrível! Sucesso!



O show não pode parar...

4 comentários:

  1. Que projeto Liiindo.

    Fico feliz, por saber que tem pessoas que dão o devido valor para nossa literatura que é tão rica.
    Realmente temos escritores excelentes, muitos precisam tirar aquela visão turva de que "coisa nacional não presta".
    Presta sim, e muuuuuuito.

    Mais uma vez, Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Ju,

    sem palavras pra essa ação tão bonita e cheia de arte.
    Caramba, eu fiquei impressionada e me arrepiei também quando você falou em contar isso aos seus netos.

    Parabéns de verdade a todos vocês que tem essa força de vontade.

    Beijo querida, feliz dia das crianças!

    ResponderExcluir
  3. - parabéns, Juliana.
    que o projeto cresça cada dia mais.
    Que dê tudo certo para todos que fazem parte.

    Viva a arte.

    ResponderExcluir
  4. ah obg por sempre estar cmg em meu blog *-*

    http://pedacosdelembrancas.blogspot.com.br/2012/10/fecho-os-olhos-te-trago-pro-meu-mundo.html

    http://pedacosdelembrancas.blogspot.com.br/2012/10/sao-coisas-que-somente-o-tempo-ira-curar.html

    ResponderExcluir