quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Fim da história





"Ela já não acreditava mais em contos de fada. Vivia a realidade com gosto de cigarro e cimento fresco. Enxergava em tons branco e preto, o efeito era pesado.
Podia sentir a dor adentrar pelo seu íntimo, até tomar conta de seu âmago. Sentia como se fosse a segunda opção, o que restou.
Era um papel jogado fora, uma reprise de novela, uma atriz decadente e o primeiro amor esquecido. Ela era aquele objeto empoeirado esquecido atrás da estante.
Mesmo assim, a todo instante ela o esperava, aguardava pelos seus beijos, pelos carinhos e brincadeiras que só os dois conheciam.
Olhava a todo instante na esperança de vê-lo chegar. Seus olhos pequenos, mas tão imensos que enxergavam o mundo de um jeito que só ele sabia ver. Suas mãos macias e acolhedoras. Seu abraço quente e reconfortante.
Mas não, ele não veio. Era tudo obra de sua imaginação.
E viveria assim para a sempre, imaginando o sempre. Vivendo de lembranças, recordações que só ela fazia questão de não esquecer.
Para ficar guardado. Para ficar na memória."

4 comentários:

  1. Vish, já me senti dessa forma. Uma sensação péssima. Mas o lado bom é que passa. Já imaginei, esperei por alguém que se foi e nunca mais veio, mas superei. É sempre assim. A vida as vezes consegue ser um saco, não é mesmo?

    - Vitamina de Pimenta -
    Twitter.com/LariCrazy_

    ResponderExcluir
  2. Lindo texto.
    Também acho que já me senti assim. O bom é que não é assim que se vive para sempre.
    Beijinhos
    http://talkingtosirens.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Gostei do texto :D
    Obrigado por comentar no meu blog.
    Gabriel - Corações de Neve

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo texto, Ju!

    Bastante intenso e ao mesmo tempo, super delicado. Nossa, me identifiquei muito com ele... Adorei!

    Beijos,

    Natalia Leal
    http://www.paginas-encantadas.blogspot.com

    ResponderExcluir