terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Sobre os não amigos





Todo mundo gosta de ter amigos. De saber que existe alguém em algum canto por aí que te compreende, está na mesma sintonia que a sua e entende o universo que é a sua vida. É tão bom ter amigos com quem possamos compartilhar momentos bons, contar que passamos naquela prova, que o tal carinha ligou, que está triste porque o cachorro morreu e que amanhã começo a fazer dieta.
Ter amigo é a sensação mais única que existe. E a sensação de se sentir realizado não tem preço. Quem não tem amigos é solitário, quem não tem amigos não sabe o que está perdendo. Só que além dos amigos, existem aqueles "Não amigos". E eu aposto que você tem um deles.
Os não amigos são aqueles que tentamos ser amigos, que em um determinado momento até acreditamos. Até podemos chamá-lo de amigo, mas lá no fundo sabemos que não, eles não são amigos. Comecei a refletir sobre isso quando percebi a utilidade de algumas pessoas em minha vida. E esse sentimento é bom e ruim, porque alivia, porém ao mesmo tempo ficamos sem saber como lidar.
Aquele não amigo é aquela pessoa que você não tem nada em comum e ainda assim não tem assunto. Às vezes um assunto da faculdade, perguntar como vai Joãozinho - outro amigo em comum, mas vocês não dividem nada: nem frases, dias ruins e momentos. Não tem jeito, essa pessoa vai ser seu "não amigo". Vocês devem estar pensando "ah, mas isso tem um nome: colega". Acho que não. O termo colega soa artificial, está claro que não existe nada ali. O "não amigo" é aquele que você tentou ter amizade, mas não deu certo. E quantas vezes me peguei fazendo isso! Tentando manter amizade com pessoas que a minha intuição deixou claro que não ia dar certo. Quantas vezes mandei e-mail e não fui respondida, quantas vezes chamei para sair e não apareceu. E quantas vezes me vi pegando fazendo a mesma coisa. Não sei o que move um não amigo a pensar que pode existir amizade. Às vezes amigos em comum, faculdade, trabalho ou algum interesse em particular que não sustenta a amizade. Só que esses status, lugares e pessoas não são garantias de amizade.
Amizade vai muito além disso. Costumo dizer que é coisa de alma e que só Deus explica. São pessoas que são colocadas em nosso caminho para nos ajudar, amar e crescer junto com a gente. E infelizmente, o não amigo não se encaixa em nenhuma opção. É triste, mas é a verdade.
Vi isso acontecer quando observei o rumo que certas amizades na minha vida estavam tomando e notei, que nunca foram amizades. Por não saber como classificar, no impulso achamos que era amizade. Mas nunca foi e nem vai ser.
Desconfie de pessoas que não fazem questão da sua presença, porque em uma amizade de verdade não existe competição. Só há espaço para a admiração, respeito e carinho. Vale sinceridade e estar junto em dias bons ou ruins. E uma não amizade tem espaço para apatia profunda, um silêncio sufocador e não interesse das duas partes.
Agora que aprendi a reconhecer essa nova categoria, meu coração fica mais aliviado e assim, eu posso seguir em frente com os meus amigos de verdade.

3 comentários:

  1. Eu sou cheia de "não amigos". É como se tivéssemos a obrigação de manter aquela pessoa em nossa vida, e amizade nunca deveria ser obrigação de ninguém. Amizade é a coisa mais espontânea e inexplicável do mundo, a gente gosta e pronto! A gente se apega e pronto!
    Adorei o texto! E caiu no momento oportuno em minha vida.
    Beijos, Ju. s2

    ResponderExcluir
  2. Ju,

    sem palavras pra tua postagem, quem tem um amigo tem tudo.
    Amizade não se compra se conquista, amizade é tudo de bom.

    Beijos querida*

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ju!

    Ah, esse seu texto caiu como uma luva no que estou sentindo, rs.

    Infelizmente eu tenho muitos não-amigos e acho que a gente só não se afasta deles por medo de ficar "chato", sabe? Do outro ficar chateado, etc. Mas ao mesmo tempo, graças a Deus existem muitas pessoas que eu considero, com quem sei que posso contar. Só que é aquela história, os não-amigos são aquelas pessoas que vivem com você, com quem você se comunica há tempos, mas infelizmente não ganhou ~aquela~ afinidade para conversar, mesmo conhecendo a pessoa há mais de cinco anos. Eu fico muito desconfortável na presença deles, mas o que posso fazer? Tudo em nome da boa convivência.

    Adorei o seu texto!

    Beijos,

    Natalia Leal
    http://www.paginas-encantadas.blogspot.com

    ResponderExcluir